Nissan nada contra a maré do mercado brasileiro

Novo Nissan Versa, agora produzido no Brasil é aposta da marca para crescer no mercado doméstico

Por SUELI REIS, AB | De Mogi das Cruzes (SP)
  • 18/03/2015 - 06:00
  • | Atualizado há 2 months
  • 3 minutos de leitura
    Ao contrário do mercado brasileiro, que ainda enfrenta dificuldades e sinaliza mais um ano de queda nas vendas de veículos, a Nissan vislumbra outro horizonte, com projeção de crescimento em 2015 mesmo neste cenário totalmente adverso. A montadora reforça seu otimismo com a nacionalização do novo Versa, que deixou de ser importado do México e passa a ser fabricado na planta de Resende (RJ), onde já é produzido o March. A nova versão nacional do modelo chega à rede de concessionárias a partir do dia 23 deste mês.

    “Estamos na contramão da economia, vivendo um bom momento no Brasil, onde há várias expectativas até agora para a indústria: analistas apontam queda de 5% a 15% sobre o ano passado; apesar disso, nossa perspectiva de crescimento não muda. Acreditamos que o impacto será maior nas marcas que atuam há mais tempo no Brasil e a Nissan é uma marca jovem no mercado doméstico. Tivemos limitações em fases de transição, com a inauguração da fábrica, com o início da fabricação de motores. Mas estamos prontos para atender o mercado e independente da indústria, vamos crescer neste ano fiscal”, afirma o vice-presidente de vendas e marketing da Nissan no Brasil, Ronaldo Znidarsis, na terça-feira, 17, durante o lançamento do Versa nacional, em Mogi das Cruzes (SP).

    Para o atual ano fiscal – período que corresponde aos doze meses entre abril de 2014 e março de 2015 – a empresa espera aumento de pelo menos 0,8 ponto porcentual em seu índice de participação no mercado brasileiro: “Devemos encerrar com share entre 2,2% e 2,3% e para o ano fiscal que começa no próximo mês esperamos chegar ou até superar a marca de 3%”, prevê.

    A empresa aposta suas fichas no novo Versa, com expectativa de que o modelo mantenha seu nível de participação nas vendas da marca: até agora, o sedã compacto é responsável por 25% dos negócios da Nissan no País. “Em termos de volumes, nos três primeiros meses, esperamos entregar 1,5 mil unidades por mês, passando para 2 mil/mês posteriormente.”

    Ele comemora ainda os recordes do nível de qualidade da planta brasileira, que em abril completa seu primeiro ano de operações e a compara com fábricas que têm muito “experiência”, como as do Japão e dos Estados Unidos. “A unidade de Resende é uma das plantas mais sustentáveis do Brasil e da Nissan no mundo. Além disso, teremos condições de aumentar o índice de conteúdo local do March dos atuais 65% para 80% a 85% já no próximo ano fiscal.”

    O nível de produtividade também deve subir aos poucos, segundo o executivo, a depender da demanda ao longo dos próximos meses. Atualmente, a unidade opera em apenas um turno: “Avaliando a situação do País, poderemos então passar para um segundo turno. Mas claramente a visão do atual ano fiscal (que termina em março) é de crescimento da Nissan no Brasil também em produtividade”, acrescenta.

    ABRINDO CAMINHOS

    A nacionalização do Versa traz novas perspectivas para a estratégia de mercado da Nissan: a empresa deixa de importá-lo do México, um alívio considerando o câmbio atual e a nova limitação das importações de veículos definida entre os governos brasileiro e mexicano. “Estamos tranquilos com relação às novas cotas de importação, uma vez que com a nacionalização do Versa, o Sentra passa a ser o nosso único modelo trazido de lá”.

    Por outro lado, Znidarsis não descarta a vinda de outros modelos para o País: “Como se sabe, a Nissan tem um portfólio grande lá fora; hoje estamos focados nessas plataformas que já estão aqui: os dois modelos March e Versa, a picape Frontier, que também é produzida no Brasil (na fábrica da Aliança Renault Nissan em São José dos Pinhais – PR), além dos demais modelos, como o Sentra e o Altima, este último importado em menor volume dos Estados Unidos. Mas vamos continuar analisando o mercado e estamos sempre atentos às oportunidades futuras”.

    Já para as exportações, apesar de considerar o momento cambial bastante favorável, ele afirma que não se faz um cronograma de exportação de uma hora para outra. “Estamos analisando mercado a mercado na América Latina, mas no momento, o foco do Versa é o Brasil. Mas acredito que mais um pouco e teremos novidades quanto às exportações”, mencionando que a produção mexicana do Versa continuará abastecendo o mercado norte-americano.

    Ele adianta que prepara algumas novidades relacionadas a novos produtos e Jogos Olímpicos 2016, um dos maiores eventos esportivos do mundo, do qual a Nissan é patrocinadora oficial. “Como somos uma marca jovem e há muitos brasileiros que ainda não conhecem nosso potencial, as Olimpíadas representam uma grande oportunidade de levar nosso nome pelo País. Estaremos presentes em todos os momentos, desde o circuito da tocha olímpica e durante os dois meses de realização dos jogos olímpicos e paraolímpicos.”