Nissan prevê 2017 parecido com momento atual

Ghosn afirma que Aliança Renault Nissan terá 15% do mercado brasileiro (foto: Mário Curcio)

Por MÁRIO CURCIO, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)
  • 05/08/2016 - 11:03
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 50 segundos de leitura

    A Nissan acredita que o próximo ano no Brasil será fraco como este atual em volume de vendas. "Chegamos ao fundo do poço e penso que 2017 será semelhante a 2016, com cerca de 2 milhões de unidades. Mas a realidade do País está entre 3,5 milhões e 4 milhões de unidades”, afirma o CEO da Aliança Renault Nissan, Carlos Ghosn.

    O executivo concedeu entrevista coletiva no Rio de Janeiro (RJ), ao apresentar mundialmente o e-Bio Ethanol Fuel Cell e o esportivo elétrico BladeGlider (veja aqui).

    Entre as dificuldades atuais ele cita a maior seletividade na concessão de crédito, mas volta a confirmar a expectativa da Aliança Renault-Nissan de alcançar 15% de participação no mercado brasileiro, sem no entanto cravar em que ano isso vai ocorrer.

    O fato é que, juntas, Renault e Nissan somam no acumulado até julho 10,06% das vendas no Brasil, sendo 7,39% da marca francesa. E ambas tendem a crescer com a chegada de novos produtos no segmento dos utilitários esportivos. Com o recém-lançado Kicks a Nissan espera passar dos atuais 2,67% para 3% ainda em 2016.

    E a Renault mostrará até o fim de 2017 três novos utilitários esportivos: Kwid, Captur e Koleos (leia aqui). O Kwid, o menor deles, deve ter preço de hatch pequeno.