Novo HB20 tem mais versões e preços

Hyundai renova hatch e sedã para brigar em todas as faixas do segmento de compactos

Por PEDRO KUTNEY, AB | De Comandatuba (BA)
  • 17/09/2019 - 17:15
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 5 minutos de leitura

    Além de aumentar sua capacidade para vender o novo HB20 no Brasil e América do Sul, a Hyundai ampliou versões e preços da família para brigar em toda a faixa de mercado dos hatches e sedãs compactos, começando em R$ 46.490 (o hatch 1.0 mais barato) e indo até R$ 81.290 (caso do sedã equipado com transmissão automática de seis velocidades e o novo motor 1.0 TGDI, turbinado e com injeção direta, de 120 cavalos).

    Lançada no Brasil em 2012, a primeira geração do HB20 introduziu a Hyundai em terreno não explorado antes pela montadora no País – e fez sucesso instantâneo, com design, nível de acabamento e equipamentos que agradaram de imediato o cliente brasileiro. Logo se formaram filas de espera e em sete anos, com algumas renovações, foram vendidas 1,1 milhão de unidades. Com a nova família a fabricante coreana espera repetir o mesmo sucesso – e agora está melhor preparada para atender a demanda.


    Ao contrário da primeira geração em 2012, design da segunda geração do HB20 não agrada a todos

    Para defender sua posição de segundo carro mais vendido do País, a Hyundai repaginou o HB20 por fora e por dentro e introduziu novas tecnologias de segurança e infoentretenimento – como de costume, a maioria está presente somente nas versões intermediárias e de topo. A mudança do design exterior é mais polêmica, não encontrou no público brasileiro o mesmo entusiasmo inicial de 2012. Ao menos por enquanto, a média das opiniões é que o novo HB20 perdeu a atração visual de antes que encantou mais de 1 milhão de clientes no País. A impressão é que o carro atual é melhor indo do que vindo.

    GUERRA DE PREÇOS E EQUIPAMENTOS



    A Hyundai aumentou em R$ 2 mil o preço do novo HB20 em relação à geração anterior mais barata. Estrategicamente, tornou o seu carro R$ 2 mil mais em conta na entrada (R$ 46.490) do que seu principal concorrente, o também recém-renovado Chevrolet Onix (R$ 48.490), que lidera as vendas no Brasil e há mais de dois anos deixa em segundo lugar o hatch da marca coreana com o dobro do volume. Mas o carro feito em Piracicaba é R$ 5 mil mais caro na versão topo de linha (R$ 77.990) que o rival mais completo (R$ 72.990). A principal vantagem da GM é que a montadora coloca de série em toda a linha Onix seis airbags e controle de estabilidade (ESC), enquanto a Hyundai só conta com esses sistemas de segurança a partir das opções intermediárias de preço – e mesmo assim oferece no máximo quatro airbags.


    O HB20S também ganhou novo design: traseira do sedã agradou mais que a dianteira

    A comparação entre os sedãs compactos das duas montadoras também é parecida. O HB20S parte de R$ 55.390, ou R$ 3,4 mil mais barato que o Onix Plus (R$58.790), mas o modelo da Hyundai alcança R$ 81.290 no topo da gama, enquanto a versão equivalente do Chevrolet custa R$ 76.190, ou R$ 5,1 mil a menos que o Hyundai. A diferença de equipamentos de segurança de série entre os dois é a mesma.

    “Nossa estratégia com o novo HB20 foi a de não abandonar a faixa de entrada e ampliar a gama para cima, para atrair clientes de segmentos superiores. Com o tempo, se a demanda pedir, vamos subindo para as versões mais procuradas. É melhor começar mais barato e depois ir aumentando os preços”, explica Angel Martinez, vice-presidente da Hyundai Motor Brasil.



    Com a nova configuração de versões e preços da linha, Martinez calcula que as vendas somadas do HB20 e HB20X devem descer do atual patamar de 105 mil unidades/ano para 90 mil, enquanto as do sedã (HB20S) tendem a crescer de 30 mil a 35 mil por ano para 45 mil a 50 mil. No total, portanto, a aposta é a de vender no Brasil o mesmo volume anual de 135 mil a 140 mil na soma de hatches e sedãs da família, mas com rentabilidade maior e alguma sobra para exportações.

    TUDO DIFERENTE




    O visual interior do novo HB20 ficou mais “limpo”, a tela da central multimídia “flutua” fixada sobre o painel. Versão aventureira HB20X tem acabamento mais escuro e apliques vermelhos nas saídas de ar (no alto à direita)

    A Hyundai mudou quase tudo no novo HB20, a começar pelas dimensões: hatch e sedã cresceram em comprimento e entre-eixos, o espaço traseiro para pernas e cabeça aumentou. O interior continua bem acabado, sem muitos luxos, mas o visual do painel ficou mais limpo, sem os rebuscamentos da geração anterior. São oferecidos três tipos de cores dos bancos e revestimentos internos para o hatch, três para o sedã e dois para a versão aventureira HB20X. A tela tátil da central multimídia não é mais embutida, agora só sua base inferior é fixada no painel. O quadro de instrumentos também é novo, com opção de tela digital entre velocímetro e conta-giros.

    Por fora, o novo design da dianteira segue a nova identidade estética a Hyundai já lançada no sedã médio Sonata. O capô foi rebaixado e o losango da grade ganhou traços curvilíneos para baixo, que lembram a expressão de um emoji triste  – talvez esse seja o motivo da falta de vivacidade do novo desenho. Os faróis ganharam uma assinatura luminosa própria (não é DLR), assim como as lanternas traseiras, que especialmente no caso do sedã tornam o visual bem mais atraente. A silhueta lateral ficou mais alongada, sugerindo aerodinâmica mais eficiente.

    Embaixo do capô a maior novidade é o motor tricilíndrico 1.0 TGDI flex, turbinado e com injeção direta de combustível, que rende 120 cavalos. Apesar de o torque de 17,5 kgfm estar 100% disponível a apenas 1.500 rpm, o comportamento do carro é comedido. O novo propulsor equipa as versões mais caras do hatch e sedã e só está disponível com câmbio automático de seis marchas. Nas opções mais baratas do modelo, só com transmissão manual, continua disponível o motor três-cilindros 1.0 flex aspirado de 80 cv, que agora tem sistema de partida a frio. Também segue em linha a motorização quatro-cilindros 1.6 com 130 cv, para versões intermediárias de preço com câmbio manual ou automático.

    Todas as versões do novo HB20 vêm de série com direção elétrica, ar-condicionado, rádio e acionamento elétrico de vidro, travas e retrovisores externos, além dos obrigatórios dois airbags frontais e freios com ABS. O controle eletrônico de estabilidade, assistente de partida em rampa e central multimídia já entram no preço a partir da segunda opção. No topo da gama, hatch e sedã 1.0 turbo agregam os sistemas mais modernos de segurança, conveniência eficiência, incluindo start-stop (desliga o motor nas paradas e religa ao sair), frenagem automática de emergência (AEB), alerta de mudança de faixa de rodagem (LDW), monitor de pressão dos pneus, quatro airbags (dois laterais), câmera de ré e chave com sensor de presença e partida no botão.


    Versão aventureira HB20X tem visual mais robusto com “saia” de apliques plásticos e design exclusivo da grade frontal

    VERSÕES E PREÇOS



    HB20
    Sense 1.0 MT: R$ 46.490
    Vision 1.0 MT : R$ 48.490
    Vison 1.0 MT com Multimídia : R$ 50.490
    Evolution 1.0 MT: R$ 53.790
    Sense 1.6 MT: R$ 57.990
    Sense 1.0 AT: R$ 62.790
    Evolution 1.0 TGDI AT: R$ 67.190
    Launch Edition 1.6 AT: R$ 69.990
    Diamond 1.0 TGDI AT: R$ 73.590
    Diamond Plus 1.0 TGDI AT: R$ 77.990

    HB20S
    Vision 1.0 MT : R$ 55.390
    Evolution 1.0 MT: R$ 58.390
    Vision 1.6 MT: R$ 62.590
    Vision 1.6 AT: R$ 67.390
    Evolution 1.0 TGDI AT: R$ 71.790
    Diamond 1.0 TGDI AT: R$ 76.890
    Diamond Plus 1.0 TGDI AT: R$ 81.290

    HB20X
    Vision 1.6 MT: R$ 62.990
    Vision 1.6 AT: R$ 67.890
    Evolution 1.6 AT: R$ 69.890
    Diamond 1.6 AT: R$ 75.190
    Diamond Plus 1.6 AT: R$ 79.590