PDV na Moto Honda teve mais de 500 adesões

Programa aberto no fim de fevereiro pretendia atingir 300 funcionários

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 01/04/2016 - 13:05
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    O Programa de Demissão Voluntária (PDV) aberto pela Honda com o objetivo de atingir 300 funcionários da divisão de motos (de Manaus, São Paulo e Indaiatuba) obteve mais de 500 adesões. A ação visava ajustar a produção e as atividades da empresa à demanda atual. A Honda não informa se o fato afasta futuras demissões. Sobre a possibilidade de fazer uso do Programa de Proteção ao Emprego (PPE), a empresa respondeu apenas que não há nenhuma previsão de adotar outro programa.

    “Seguimos acompanhando a evolução do mercado e nosso compromisso é sempre avaliar a melhor maneira de nos adequarmos ao cenário, garantindo a continuidade dos negócios com o menor impacto interno possível”, informou a companhia. Além daquilo que é previsto por lei, o PDV ofereceu gratificação por ano trabalhado, suporte de plano de saúde e ajuda-alimentação.

    Em 2010 a Honda inaugurou em Manaus uma segunda grande ala (HDA 2) destinada à produção da Biz e de outras motonetas de baixa cilindrada, mais quadriciclos e motores estacionários. Esse setor custou na época R$ 90 milhões, mas desde fevereiro de 2016 está com suas atividades suspensas temporariamente.

    Em 2011, o melhor ano para o setor de motocicletas, a Honda fabricou quase 1,7 milhão de motos em Manaus. No entanto, as vendas no setor caíram seguidamente desde 2012 e como consequência a produção da empresa em 2015 foi de pouco mais de 1 milhão em 2015, uma redução próxima a 40%. E o total de unidades que montou no primeiro bimestre (130,5 mil motos) ficou 32,1% abaixo do mesmo período do ano passado.