Produção de petróleo tende a crescer, estima diretor da Petrobras

Companhia quer encerrar o ano de 2011 com 2,1 milhões de barris

Por Agência Estado
  • 16/11/2011 - 16:12
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Agência Estado

    A produção das unidades inauguradas pela Petrobras desde o fim do ano passado ainda tende a crescer, disse nesta quarta-feira, 16, o diretor financeiro e de relações com investidores da estatal, Almir Barbassa. A afirmação foi feita durante teleconferência com analistas e investidores realizada nesta manhã. Na lista de projetos analisados pela companhia está a produção em locais como os campos de Marlim Leste, Cachalote/Baleia, entre outras.

    A estatal deseja encerrar o ano com produção de 2,1 milhões de barris de petróleo no Brasil. O resultado ainda aquém da meta é explicado pelas paradas para manutenção realizadas desde o início do ano. Apenas no terceiro trimestre, três plataformas tiveram as operações interrompidas, o que resultou em perda de capacidade em um total de 79 mil barris diários.

    “Esse resultado foi compensado por melhoria em poços de outras plataformas”, destacou, citando como ganho proveniente nessa lista em um total de 27 mil barris por dia. Com isso, a perda líquida de produção no terceiro trimestre ficou em 52 mil barris por dia.

    A Petrobras tem planos de adicionar 20 poços ao seu sistema ao longo do quarto trimestre. Desse total, quatro foram conectados em outubro e outros 16 poços têm entrada prevista entre novembro e dezembro. Os poços com início em outubro têm 38 mil barris por dia (bpd) de potencial. Já os poços previstos para o último bimestre têm potencial de 175 mil bpd.

    Com isso, a companhia tem potencial para elevar sua atual média de produção, de 2,013 milhões de bpd no acumulado dos nove primeiros meses do ano. Assim, a direção da estatal mantém a meta para o ano de produzir 2,1 milhões de bpd de petróleo no Brasil, com variação de 2,5% para cima ou para baixo, o que significa uma meta entre 2,050 milhões e 2,150 milhões de bpd. Para o próximo ano, a companhia trabalha com a perspectiva de adição de 414 mil bpd de petróleo, proveniente em grande parte da produção do piloto de Guará e de Roncador, conforme apresentação de Almir Barbassa.

    O diretor de relações com investidores também afirmou que o número de sondas em operação da região do pré-sal deverá dobrar até o fim do próximo ano. Hoje, segundo o executivo, há dez sinas em operação na área. “A produtividade está se mostrando elevada na região”, disse. O executivo destacou a produção do primeiro poço do Piloto de Lula, que adicionou uma produção de 28 mil bpd; o segundo em 25 mil bpd e o terceiro estará pronto para início de produção no fim de novembro.

    Além disso, a companhia destacou que a produção média de todos os poços do pré-sal está em 20 mil bpd e não há, segundo a empresa, indícios de declínio.