Regime automotivo: para Dilma, crescimento das importações foi ´´estarrecedor``

Presidente nega protecionismo e defende ´´defesa comercial``

Por Pedro Kutney, Automotive Business
  • 03/04/2012 - 21:40
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Pedro Kutney, AB

    Na cerimônia de anúncio de medidas de estímulo à indústria nacional (leia aqui), em seu discurso de encerramento a presidente Dilma Rousseff destacou o novo regime automotivo como um dos mais importantes pontos da política industrial de sua gestão, para proteger o setor e prepará-lo diante da forte concorrência externa.

    “Vimos um estarrecedor crescimento das importações de veículos no Brasil, porque o País se tornou o quarto maior mercado do mundo”, disse a presidente. “Houve tentativa de canibalização desse mercado que reúne aqui algumas das maiores empresas mundiais do setor”, acrescentou.

    Dilma ressaltou que, no entendimento do governo, as medidas adotadas até agora não configuram “protecionismo, mas defesa comercial focada na inovação e qualificação profissional”. Em seu discurso, a presidente avalia que o novo regime automotivo trará desenvolvimento para o setor. “As medidas são para transformar o Brasil, além de grande mercado, também em grande produtor de conhecimento”, disse.