Renault da Argentina quer exportar picape Alaskan para o Brasil

Alaskan na linha de montagem argentina: a Renault local quer enviar a Alaskan para o Brasil

Por REDAÇÃO, PARCERIA COM PRIMEIRA MARCHA
  • 18/05/2021 - 16:58
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    A novela da picape Alaskan ganha mais um capítulo na sua longa novela rumo à comercialização no Brasil. A mais recente novidade é uma entrevista do presidente da Renault da Argentina, Pablo Sibilla, na qual ele anuncia que a empresa pretende exportar a Alaskan, produzida na fábrica de Córdoba, para vários mercados sul-americanos, entre eles o Brasil, como informa a seguir a reportagem do site Primeira Marcha.

    “Estamos trabalhando no aumento das exportações, conversando com parceiros do Brasil, Chile e Colômbia para ver o modelo de negócios para que a picape argentina seja rentável para eles”, disse Sibilla durante uma entrevista à agência de notícias argentina Télam.

    A afirmação pode representar uma nova mudança no rumo da picape, cheia de reviravoltas. Lançada em 2016, ela foi inicialmente confirmada para o Brasil – a previsão de chegada era para 2018. Ela até chegou a dar as caras no Salão do Automóvel de 2018. Porém, pouco tempo depois, a Renault desistiu de vender a Alaskan no Brasil. Posição que está mantida – pelo menos até a declaração do executivo argentino.


    A picape Alaskan saindo da fábrica da Renault em Córdoba, na Argentina

    Nunca é demais lembrar que a Alaskan nada mais é do que uma Nissan Frontier com desenho criado pelos franceses. A própria fábrica de Córdoba é compartilhada com a Nissan.

    Assim, se a vida da Frontier em nosso mercado já não é lá muito fácil, imagine dividir as atenções com a “irmã” Renault. Além disso, a pouca tradição da Renault em vender picapes pode ser um outro obstáculo para a Alaskan.

    Mesmo com as dificuldades, os argentinos parecem confiantes. Na mesma entrevista para a Télam, Sibilla disse que a Renault espera implantar o segundo turno na fábrica de Córdoba até o final do ano, contratando mais 500 funcionários para dar conta do aumento na produção.


    Lançada mundialmente em 2016, a picape foi mostrada no Salão do Automóvel de 2018

    O executivo também afirmou que, nos próximos anos, a operação na Argentina será dedicada aos veículos comerciais. Assim, a partir de 2024, Logan e Sandero devem deixar de ser produzidos em Córdoba.

    “Procuramos substituir a gama atual por alguma outra plataforma que esteja em linha com esta estratégia de veículos utilitários e assim especializaríamos a nossa fábrica, enquanto a outras fábricas na América Latina fariam o mesmo com veículos de passageiros”, afirmou.

    A afirmação pode ser um indicativo de que a fabricação da picape Oroch, atualmente em São José dos Pinhais (PR), pode migrar para o país vizinho, enquanto os novos Logan e Sandero (ou quaisquer que sejam seus nomes) viriam de forma integral para o Brasil.