Renault investirá US$ 100 milhões na Argentina

Presidente da Renault na Argentina, Thierry Koskas (direita) comunica investimento local à Cristina Kirchner e à ministra da Indústria, Débora Giorgi

Por REDAÇÃO AB
  • 11/03/2015 - 18:57
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    A Renault anunciou investimento de US$ 100 milhões para a introdução de uma nova plataforma em sua fábrica de Santa Isabel, em Córdoba, Argentina, visando a produção local de Logan, Sandero e Sandero Stepway em substituição a importação desses modelos fabricados no Brasil. Atualmente, a montadora produz em solo argentino o Clio Mio, Fluence e o utilitário Kangoo.

    Com previsão de iniciar a montagem em julho de 2016, a Renault prevê alcançar em 2017 o volume de 50 mil unidades por ano dos três modelos anunciados. As vendas dos modelos já nacionalizados estão previstas para o fim do mesmo ano.

    O anúncio foi feito pelo presidente da montadora no país, Thierry Koskas, aproveitando as comemorações dos 60 anos da fábrica de Santa Isabel, à presidente argentina, Cristina Kirchner, acompanhada pela ministra da Indústria, Débora Giorgi, na terça-feira, 10, em um encontro na residência presidencial, em Buenos Aires. Também participou do encontro o diretor de assuntos governamentais e de relações institucionais da Renault na Argentina, Darío Rodrigañez.

    Segundo Koskas, por se tratar de uma plataforma flexível, permitirá a produção de outros modelos no futuro. Vale lembrar que sobre a mesma plataforma é montado o Duster, cuja nova geração será lançada no fim deste mês no Brasil.

    “A Argentina é um local chave para o Grupo Renault, tanto para o desenvolvimento da sua estratégia de produção quanto para o crescimento de vendas na região das Américas. O objetivo é manter essa expansão e também reforçar a posição da marca no país”, declarou Thierry Koskas.

    O investimento sustentará todo o processo de introdução da nova plataforma em cinco áreas: no desenvolvimento de fornecedores para a produção de peças e componentes locais atualmente importados, como bancos, para-choques, sistemas de exaustão e de freios, entre outros; pesquisa e desenvolvimento de engenharia local, cpacitação de trabalhadores para o manejo dos novos equipamentos e modernização da área de pintura.

    RENAULT NA ARGENTINA

    Em um período de 10 anos, entre 2003 e 2014, a Renault viu sua produção quintuplicar no país vizinho, passando de 15 mil unidades para 81 mil. As exportações a partir da Argentina também subiram exponencialmente, de 6 mil para 36 mil unidades no período. A proporção de veículos importados continuou maior que a de produzidos localmente: os nacionais passaram de 11 mil para 50 mil unidades, enquanto os importados subiram de 3 mil para 35 mil.

    A empresa, que emprega 2,7 mil pessoas no país, foi a marca que mais veículos vendeu por meio do Procreauto, programa do governo local para financiamento de modelos populares, com 6.686 unidades.