Renault paralisa produção no Brasil por falta de semicondutores

Montadora concede férias aos trabalhadores de São José dos Pinhais, que tem início na próxima segunda-feira

Por REDAÇÃO AB
  • 30/07/2021 - 14:45
  • | Atualizado há 1 month
  • um minuto de leitura

    Parece que a cada semana uma nova fábrica anuncia a paralisação de suas fábricas por falta de semicondutores. A vítima da vez é a Renault, que decidiu conceder férias aos trabalhadores do complexo industrial de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR).

    O comunicado foi divulgado via e-mail para parte dos funcionários na quinta-feira, dia 29, e começa a valer na próxima segunda-feira, dia 2, conforme adiantou o site da revista Quatro Rodas. O tempo de paralisação varia dependendo do departamento de cada colaborador.



    Na unidade chamada Curitiba Veículos de Passeio (CVP), que produz Captur, Duster, Kwid, Logan, Sandero e Stepway, a parada será por 10 dias, com retorno previsto para o dia 12/8. Já na unidade Curitiba Veículos Utilitários (CVU), que fabrica o furgão Master, a duração será de apenas cinco dias.

    Consultada, a Renault divulgou o seguinte comunicado a Automotive Business: “A Renault do Brasil informa, que em função da falta de componentes eletrônicos, haverá férias coletivas nas fábricas do Complexo Industrial Ayrton Senna, no período de 02 a 06/08 para a fábrica de veículos comerciais leves e de 02 a 11/08 para a fábrica de veículos de passeio. Além disso, nos dias 29 e 30/07 não haverá produção na fábrica de veículos de passeio. A produção referente a estes dois dias será compensada em datas futuras a serem definidas pela empresa.”

    A falta de componentes eletrônicos já afetou oito montadoras e 14 fábricas no Brasil, como mostrou um acompanhamento regular da consultoria Auto Forecast Solutions (AFS), dos Estados Unidos. Isso já levou a reduções ou paralisações das linhas de 41 modelos, com perdas somadas de 220 até o fim de julho. Somando todas as paradas ou cadência reduzida, a AFS estima perda equivalente a 270 dias de operações (veja lista completa das fábricas aqui).

    Entre os fabricantes mais afetados pela escassez de microchips está a GM: a fábrica de São Caetano do Sul – onde são produzidos Tracker, Joy, Joy Plus e Spin – vai ficar parada por dois meses, enquanto a unidade Gravataí (RS) – onde é montado o Onix – está paralisada desde março, com previsão de retorno só no dia 16 de agosto, após um período de cinco meses e meio de suspensão.