São Paulo renova a frota com veículos leves

Cleide Silva mostrou no Estadão de ontem, 22, que as restrições à circulação de caminhões na Grande São Paulo provocaram uma corrida aos minicaminhões, vans e picapes de carga, veículos autorizados a entrarem nas zonas proibidas aos demais.

Por Automotive Business
  • 23/09/2008 - 00:00
  • | Atualizado há 2 months
  • 54 segundos de leitura
    Cleide Silva mostrou no Estadão de ontem, 22, que as restrições à circulação de caminhões na Grande São Paulo provocaram uma corrida aos minicaminhões, vans e picapes de carga, veículos autorizados a entrarem nas zonas proibidas aos demais. Há fila de espera de até 90 dias para alguns modelos, o que antes só acontecia com caminhões de grande porte. Diante da demanda, montadoras que não ofereciam vans já anunciam sua disposição de entrar nesse mercado, que também está atraindo novas marcas importadas. "Nos últimos três meses, saímos da média mensal de vendas de 40 para 150 caminhões da categoria enquadrada nos VUC", diz Roberto Cortes, presidente da VW Caminhões. Ele conta que foram vendidos 450 veículos em três meses, mesmo volume de todo o ano passado. As vans, outra alternativa para o transporte de cargas, também estão sendo muito procuradas. Este ano, foram vendidas 27.982 vans, quase o dobro em relação às 14.044 unidades de igual período de 2007. As vendas da Daily cresceram 125%. As do furgão Mercedes Sprinter, 55%. A Hyundai/Caoa já vendeu 6.155 unidades do HR este ano. A importadora CN Auto está trazendo da China a Towner e a Topic, que chegaram a vender mais de 70 mil unidades nos anos 90, quando eram importadas da Coréia pela Asia Motors do Brasil. A Effa Motors, que traz pequenos utilitários urbanos da China, vendeu 209 veículos desde junho.