Triumph: revendas vão receber mais dois modelos

Daytona 675 R (com carenagem) e Street Triple utilizam motor de três cilindros

Por REDAÇÃO AB
  • 24/05/2013 - 14:26
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    As concessionárias Triumph do Brasil passam a vender em junho as motos Street Triple e Daytona 675 R, que começaram a ser montadas em Manaus (AM) no início de maio. A primeira tem estilo naked (do inglês nu, ou seja, sem carenagem) e preço sugerido de R$ 31.900. A outra é uma esportiva, esta sim carenada e com valor de tabela em R$ 48.690.

    “Vamos montar cerca de 750 unidades das duas até o fim do ano”, diz o gerente-geral da Triumph do Brasil, Marcelo Silva. O maior volume, segundo ele, será da Street Triple, entre 450 e 500 motos até o fim de dezembro.

    A Triumph começou a atuar no Brasil em 2012, nacionalizando parte da produção em Manaus, trazendo motos prontas também e abrindo a primeira revenda em novembro daquele ano. Investiu R$ 19 milhões no Brasil (veja aqui). A montagem local ainda é pequena, no máximo 20 unidades ao dia.

    Sobre o volume da marca em 2013, Silva diz: “Deveremos vender 2,5 mil unidades entre importadas e nacionais”, estima Silva. De acordo com o gerente-geral, a montagem na Amazônia responderá por 2,3 mil motos desse total.

    O modelo Street Triple tem motor de três cilindros, 85,1 cv de potência e concorre com motocicletas como BMW F 800R, Honda CB 600F Hornet, Kawasaki ER 6n e Z 800 e também Yamaha XJ6N. A esportiva Daytona 675 R tem motor semelhante ao da Street Triple, mas mais potente (128 cv), e compete com Honda CBR 600 RR, Kawasaki Ninja ZX 6R e Suzuki GSX R750.

    A Triumph ainda tem uma rede muito pequena, com quatro lojas. “Em junho abriremos mais três, uma no Rio de Janeiro (RJ), uma em Belo Horizonte (MG) e outra em Curitiba (PR). Até o fim do ano serão 10 ou 12 ao todo”, diz Silva. Atualmente, além dos dois novos modelos, a empresa monta em Manaus as motos Bonneville T100, Speed Triple (esta com motor de 1.050 cc) e Tiger 800XC. Os componentes são trazidos de fábricas em Hinckley (Inglaterra) e Chonburi (Tailândia).

    Sobre a eventual necessidade de aumentar o índice de nacionalização, caso mudem as regras para o Processo Produtivo Básico (PPB) vigente em Manaus (veja aqui), Marcelo Silva diz: “O conteúdo local diminui riscos cambiais. Participamos na Abraciclo dessas discussões (...) A Triumph avaliou decisões e está preparada para isso.”

    Além das motos montadas no País, outras três são trazidas inteiras: Rocket III Roadster, Thunderbird Storm e Tiger Explorer. Os oito produtos têm preços entre R$ 29,9 mil (Bonneville) e R$ 69,9 mil (Rocket III).

    A mais vendida atualmente é a Tiger 800XC, embora não seja a mais acessível, pois custa R$ 39,9 mil: “Suas vendas superaram nossa expectativa”, diz Silva. A segunda colocada em vendas é a Bonneville T100.