Unica reduz em 12% estimativa da safra de cana

Produção de etanol deve registrar queda de 19,68% no ano

Por Agência Brasil
  • 01/11/2011 - 17:09
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Daniel Mello, Agência Brasil

    A moagem de cana-de-açúcar este ano será 12,29% menor que a de 2010, segundo estimativa da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), divulgada na terça-feira, 1º. A entidade reduziu em 4,26% a previsão de produção feita em agosto e, agora, apresenta uma expectativa de safra de 488,5 milhões de toneladas para as usinas do Centro-Sul do país.

    A queda da moagem é, segundo a Unica, causada, principalmente, por uma redução de 18,2% na produtividade das usinas em comparação com o desempenho do ano passado. O envelhecimento dos canaviais e as condições climáticas desfavoráveis foram apontados pela entidade como os responsáveis pelo fato de o estado de São Paulo, maior produtor do país, ter registrado nesta safra a pior produtividade dos últimos 20 anos. Na média, as unidades do Centro-Sul deverão produzir menos de 70 toneladas por hectare.

    De acordo com o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, o mau desempenho deve se repetir no próximo ano. “As variáveis mencionadas, somadas à expectativa de apenas quatro unidades produtoras iniciando moagem no próximo ano, deverão resultar em um crescimento tímido da produção na safra 2012”, ressaltou. Para ele, o problema só será superado com investimentos na renovação dos canaviais.

    Este ano, a Unica estima que 51,81% da safra serão destinados à produção de 20,39 bilhões de litros de etanol, 19,68% menos que o alcançado em 2010. Desse total, 7,83 bilhões de litros serão de etanol anidro, para mistura com a gasolina, e 12,56 bilhões de litros de álcool hidratado, para abastecimento direto de veículos.

    Em relação à produção de açúcar, a expectativa da entidade é que, com a destinação de 48,19% da cana moída, a produção atinja 30,8 milhões de toneladas, uma queda de 8,06% em relação à safra passada.

    A queda da produção de etanol, segundo Padua, está sendo compensada com importações. “Mantida a tendência de vendas, os valores projetados, em especial para o etanol anidro, são suficientes para atender plenamente o mercado doméstico até o início da próxima safra”, avaliou o diretor.