Venda de caminhões despenca em janeiro

Queda de emplacamentos é de quase 30% na comparação com 2014

Por PEDRO KUTNEY, AB
  • 02/02/2015 - 20:00
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    O desastre anunciado no mercado de caminhões começou a ser desenhado com tintas fortes em janeiro. As vendas despencaram com a demora para definir regras para 2015 do PSI Finame, linha de financiamento do BNDES responsável por mais de 70% das compras de veículos comerciais no País, que só entrou em operação plena já no fim do mês passado – e com condições sensivelmente piores do que as ofertadas no ano passado, levando em conta aumento de juros e redução da parcela financiável (leia aqui). Isso resultou em apenas 7,7 mil caminhões emplacados (a maioria vendida ainda em dezembro), em retração de 28,4% na comparação com janeiro de 2014 e de impressionantes 44% sobre o mês anterior. Os dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) foram divulgados na segunda-feira, 2, pela Fenabrave, a associação dos concessionários.

    - Veja aqui os dados completos compilados pela Fenabrave

    Só no fim de janeiro os principais bancos de montadoras passaram a oferecer planos de financiamento em que misturam as condições do PSI Finame com outras linhas do BNDES e oferta própria de crédito (leia aqui). Com a retomada das operações, as vendas de caminhões podem se recuperar nos próximos meses, mas disso também depende do desempenho da economia, que começou o ano em desaceleração.

    As vendas de ônibus também foram impactadas pela falta de financiamento e economia lenta, mas o desempenho foi melhor que o de caminhões. Foram emplacadas 2,2 mil unidades em janeiro, em queda de 18,6% sobre dezembro, mas em alta de 4,2% na comparação com o mesmo mês de 2014. O resultado melhor é devido a encomendas feitas no fim do ano passado. Normalmente, ônibus demoram mais a aparecer nas estatísticas de emplacamentos, pois primeiro são fabricados os chassis, que são enviados aos encarroçadores e só então os veículos são registrados.