Vendas param de crescer em julho

Com 162,4 mil emplacamentos, foi o pior mês do último ano, em queda de 0,4% sobre julho de 2020

Por PEDRO KUTNEY, AB (COM DADOS DA AUTOINFORME)
  • 02/08/2021 - 17:01
  • | Atualizado há 1 month
  • 54 segundos de leitura

    É oficial: a falta de semicondutores afeta pelo menos 14 fábricas no País e provoca perdas de produção de mais de 220 mil unidades já está provocando queda nas vendas de veículos leves zero-quilômetro. Segundo números antecipados pela Autoinforme, com apenas 162,4 mil emplacamentos, julho foi o pior dos últimos 12 meses, abaixo até mesmo do mesmo mês de 2020, quando a pandemia ainda afetava mais severamente os negócios.

    O volume de 162.404 automóveis e comerciais leves emplacados em julho representou queda de 4,2% sobre junho e leve retração de 0,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. As vendas diárias, que melhor indicam o movimento do setor, também foram as mais fracas dos últimos 12 meses, com média de apenas 7.362 emplacamentos em cada um dos 22 dias úteis do mês – ou 21 no Estado de São Paulo se for considerado o feriado da Revolução Constitucionalista de 9 de julho.

    No acumulado de sete meses de 2021, os quase 1,17 milhão de emplacamentos de veículos leves mantêm expressivo avanço de 26,2% sobre janeiro a julho de 2020, quando foram vendidas 926,4 mil unidades. O melhor desempenho dos primeiros meses deste ano, antes do aprofundamento da crise da falta de semicondutores, ainda sustentam em porcentual alto o crescimento sobre o ano passado, fortemente impactado pela disseminação da Covid-19 no País, principalmente em março, abril e maio.