Volkswagen: software fraudador estava desativado no Brasil

Com resultado de testes internos, companhia quer suspender multas no País

Por REDAÇÃO AB
  • 05/07/2016 - 18:58
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 57 segundos de leitura
    A Volkswagen garante que os consumidores brasileiros não foram vítimas do dieselgate, escândalo global deflagrado em setembro de 2015, quando a companhia foi pega ao usar software para fraudar o nível de emissões de 11 milhões de carros a diesel vendidos em todo o mundo. A picape Amarok oferecida no Brasil tem o dispositivo instalado, mas a empresa anunciou que o mecanismo está desativado.

    A montadora realizou testes internos e constatou que o software não influencia a performance ou o nível de emissões do modelo. Segundo a empresa, o veículo “atende plenamente aos limites de emissões estabelecidos por lei, sem prejuízo ao meio ambiente”. O recurso nem seria necessário no Brasil, onde a legislação de controle de poluentes ainda não é tão apertada quanto a de países europeus e dos Estados Unidos.

    Com a constatação, a empresa aponta ter mais um argumento para suspender as multas que recebeu no Brasil por causa do dieselgate de R$ 50 milhões do Ibama e de R$ 8,5 milhões do Procon-SP. Desde que foram anunciadas, ainda em 2015, a Volkswagen vem contestando as penalidades.

    Ainda que a montadora garanta não ter trapaceado no Brasil, não vai ser tão simples se livrar do prejuízo. Na segunda-feira, 4, a Proteste, associação dos consumidores, enviou ofício à companhia e ao ministério público que pedia a extensão para o País do acordo firmado nos Estados Unidos recentemente (leia aqui). A empresa acertou pagar na América do Norte total de US$ 15 bilhões em penalidades.