Volkswagen vai demitir 30 mil funcionários

Medida afeta o Brasil, mas maior parte dos cortes será na Alemanha

Por REDAÇÃO AB
  • 18/11/2016 - 16:23
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A Volkswagen anunciou novas medidas como parte de seu plano estratégico para os próximos 10 anos. Em busca de eficiência, a companhia vai cortar 30 mil vagas. A maior parte das dispensas acontecerá nas fábricas da companhia na Alemanha, onde a montadora deve enxugar 23 mil pessoas do quadro de 114 mil trabalhadores. A redução também vai afetar o Brasil, a Argentina e a América do Norte, informou a montadora a jornalistas europeus, sem detalhar o plano.

    Na Alemanha, a Volkswagen já discutiu o assunto com o sindicato, que deve aceitar as demissões com a promessa de que serão criados 9 mil vagas no futuro, na área de carros elétricos das fábricas do país. Globalmente, a meta da empresa é fazer todas as reduções até 2025. Será um desafio para a montadora negociar o enxugamento com os sindicatos brasileiros.

    Este ano, em plena crise no mercado de veículos, a companhia fechou acordo que garante estabilidade aos funcionários da planta de São José dos Pinhais (PR) até 2021 (leia aqui). O mesmo aconteceu na fábrica Anchieta, no ABC Paulista, onde a empresa abriu PDV, mas se comprometeu a não mandar embora 3,6 mil funcionários excedentes da unidade (leia aqui).

    ELETROMOBILIDADE APÓS DIESELGATE

    O plano estratégico da Volkswagen pretende garantir que a companhia faça a transição para a era digital e para a eletromobilidade (leia aqui). A montadora pretende lançar 30 carros elétricos até 2025 e melhorar a sua imagem, arranhada pelo dieselgate, escândalo provocado pela fraude em 11 milhões de motores diesel que burlavam o controle de emissões e poluíam mais do que o permitido. O custo total do problema ainda não foi definido, mas deve somar bilhões de euros em multas e compensações aos consumidores.

    O objetivo das demissões e de outras medidas internas é alcançar eficiência anual de € 3,7 bilhões e aumentar a margem operacional da marca Volkswagen dos atuais 2% para 4% em 2020. Também está previsto investimento de € 3,5 bilhões na atualização de fábricas alemãs para a produção de modelos elétricos. A ideia é tornar as plantas 25% mais produtivas.