Waymo começa a operar serviço de táxi autônomo nos Estados Unidos

Empresa do Google passa a cobrar por corridas em carros sem motoristas na região de Phoenix

Por REDAÇÃO AB
  • 05/12/2018 - 18:26
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Agora é para valer: a Waymo, empresa de carros autônomos do Google, começou a operar um serviço de táxi sem motorista em Phoenix, nos Estados Unidos. A novidade começou sem alarde da empresa, em quatro bairros da cidade onde a solução já rodava em testes. Agora, no entanto, a companhia passou a cobrar pelo serviço.

    A iniciativa coloca a empresa à frente de outras startups que têm a oferta de soluções de mobilidade em carros autônomos como uma de suas metas, como a Cruise Automation, que pertence à General Motors, e a Uber. Com a novidade, a companhia também larga na frente das próprias fabricantes de veículos, que ainda não contam com serviços autônomos para deslocamentos no país.

    A EXPERIÊNCIA DA MOBILIDADE AUTÔNOMA


    As corridas sem motorista da Waymo cobrem uma área de aproximadamente 160 quilômetros e, por enquanto, são realizadas com o condutor de segurança, que está lá apenas para tomar alguma providência em uma eventual situação de emergência. Por enquanto, o serviço está rodando em beta para um número reduzido de clientes.

    Para usar o novidade, chamada de Waymo One, o cliente baixa um aplicativo semelhante ao usado por outras plataformas de mobilidade, como a própria Uber. Ali cadastra um meio de pagamento e solicita o serviço. Os preços, segundo apurou a agência Reuters, são competitivos em relação aos concorrentes não-automatizados. Uma viagem de 4,8 quilômetros de 15 minutos custa US$ 7,59.

    A aura de novidade do serviço tem atraído uma série de clientes, mas a verdade é que ainda há bons desafios pela frente para consolidar os táxis autônomos. O primeiro deles está na legislação que, nos Estados Unidos, varia muito entre um estado e outro. O outro obstáculo é técnico. Por enquanto os deslocamentos ainda são mais lentos do que os realizados quando há pessoas ao volante, algo que precisará evoluir rápido, sob o risco de que os consumidores percam interesse no serviço.

    Veja como funciona o Waymo One: