Yamaha lança esportiva por R$ 19.990

Modelo é montado em Manaus com peças produzidas na Tailândia

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Mogi-Guaçu (SP)
  • 03/08/2015 - 16:50
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 3 minutos de leitura
    A Yamaha surpreendeu com a YZF R3, moto esportiva com cilindrada de 320 centímetros cúbicos. O modelo chega em setembro à rede com preço sugerido de R$ 19.990. Em novembro vem a versão com freios ABS e tabela de R$ 21.990. O motor tem dois cilindros paralelos e produz 42 cavalos. A R3 é mais uma boa opção para aqueles pilotos de fim de semana que não podem ou não querem gastar mais de R$ 40 mil ou R$ 50 mil em uma motocicleta zero-quilômetro com carenagem. O podem até usá-la no dia a dia.

    A estratégia de lançamento incluiu a vinda ao Brasil do piloto Jorge Lorenzo, que corre pela equipe Yamaha ao lado de Valentino Rossi na MotoGP, categoria máxima do esporte em duas rodas. A moto é montada na fábrica da Yamaha em Manaus (AM), que usa alguns itens fabricados no Brasil como pneus Metzeler e bateria Johnson Controls. O kit de transmissão final também foi nacionalizado. No entanto, a maioria dos componentes é trazida da Tailândia.

    “Estimamos vender cerca de 400 unidades da R3 por mês”, afirma o diretor comercial da Yamaha, Márcio Hegenberg. Lançada há cerca de oito meses no exterior, a nova moto chega ao Brasil como parte da estratégia da fabricante de ter um lançamento a cada seis meses. Suas principais concorrentes no Brasil são a Kawasaki Ninja 300 (com 39 cv e preços entre R$ 18.990 e 21.990) e a Honda CBR 500R (50,4 cv, R$ 25.673). Se tivesse chegado dois anos antes a novata teria encontrado outras concorrentes diretas com motor de 250 cc montadas por Kasinski e Dafra e ou importadas pela Honda, que não resistiram ao mercado em queda desde 2012. No caso da Kasinski, a retração resultou no fechamento da fábrica, que assim permanece desde 2013.

    QUEDA DE MERCADO PERSISTE

    Em 2014, favorecida por dois novos modelos de baixa cilindrada (Fazer 150 e Crosser 150), a Yamaha conseguiu crescer 8,6% enquanto o mercado de motos como um todo havia encolhido 5,7%. Na primeira metade de 2015, porém, as vendas da fabricante recuaram 15,6%.

    Nos últimos dois meses a Yamaha renovou a linha de 250 cc com alterações de estilo e agora 100% equipada com motor flex. Essas mudanças podem diminuir o impacto da queda nas vendas até o fim do ano.


    Motor de 42 cv leva a moto a cerca de 180 km/h. Painel inclui luz de alerta para troca de marcha. Tanque para 14 litros é coberto por capa protetora. Assento do garupa pode ser trocado por tampa vendida à parte por R$ 799

    COMO ANDA A NOVA YZF-R3

    Automotive Business pilotou a novidade da Yamaha em um autódromo no interior do Estado de São Paulo. O primeiro contato com a moto já agrada pela posição de pilotagem, um meio-termo entre a cidade e a estrada. A altura do assento de 78 centímetros facilita a vida de quem tem cerca de 1,65 metro. A unidade testada tinha o sistema ABS, que aumenta bastante a segurança, especialmente em piso molhado.

    A ciclística é um ponto forte da YZF-R3 É uma moto muito previsível tanto em frenagens como numa sucessão de curvas de baixa e alta velocidade à esquerda e à direita. Essa qualidade foi ressaltada também pelo piloto Jorge Lorenzo. As respostas do motor são boas mesmo a partir de 7 mil rpm.

    Na unidade avaliada percebiam-se vez ou outra pequenos buracos em acelerações por volta de 5 mil rpm. A potência máxima (42 cv) surge a 10.750 rpm e o torque máximo (3 kgf.m), a 9 mil rpm. Esse motor é arrefecido a líquido e utiliza cabeçote de Diasil, uma liga de 80% alumínio e 20% de silício, que reduz a dilatação e melhora a vedação dos anéis.

    Ele tem quatro válvulas por cilindro e duplo comando, mas nenhum é variável, nem o de admissão nem o de escape. Embora a Yamaha não divulgue velocidade máxima, é possível esperar algo em torno de 180 km/h.

    Entre os instrumentos há uma lâmpada de alerta para troca de marchas (shift light) com funcionamento programável a partir de 7 mil rpm. O painel tem ainda conta-giros analógico e display de cristal líquido com indicador de marcha engatada, nível de combustível, temperatura da água, relógio, hodômetros totalizador e parciais e indicador de troca de óleo. A Yamaha não divulga consumo, mas os instrumentos incluem medição média e instantânea do gasto de combustível.


    As opções de cor incluem azul, preta e vermelha. Em novembro chega a versão com freios ABS por R$ 21.990