Automotive Business
  
News Mobility Now

Mobility Now

Ver mais notícias
Para as mulheres, privacidade é o maior incentivo ao uso de carro particular

Comportamento | 12/03/2021 | 18h10

Para as mulheres, privacidade é o maior incentivo ao uso de carro particular

Pesquisa sobre mobilidade mostra que assédio ainda é uma realidade presente no transporte público

VICTOR BIANCHIN, AB



A maior parte das deslocamentos das mulheres em grandes cidades brasileiras acontece com transporte público – 50% delas usam ônibus para se locomover, porcentual que cai para 42% no público masculino. Apesar da alta adesão feminina, o assédio nestes deslocamentos ainda é apontado como algo muito presente no dia a dia delas. Diante disso, para o público feminino o desejo por privacidade é o maior incentivo ao deslocamento com carro particular.

As conclusões são da pesquisa Mobilidade e as Mulheres, feita pela Younder, startup de treinamentos para empresas, e o Instituto Mobih, organização de incentivo à mobilidade. O estudo, que combina dados quantitativos levantados a partir de entrevistas com 203 brasileiras, além de reunir estatísticas de diversas pesquisas prévias, traça um panorama das dificuldades e desafios que as mulheres enfrentam no Brasil.




Segundo o estudo, o porcentual de mulheres donas de veículos é baixo: elas respondem por apenas 14% da propriedade de automóveis e 10% das motos. Dentre as que usam carro, 40% justificam que preferem o veículo para manter sua privacidade, enquanto o motivo prioritário entre os homens (45% dos entrevistados) é ter mais controle sobre a chegada e a saída.




O desejo das mulheres por mais privacidade fica mais do que justificado quando analisados os dados sobre assédio levantados na pesquisa. Das entrevistadas, 97% afirmaram que já passaram por situações de assédio sexual no transporte coletivo, por aplicativo ou em táxis. Além disso, 71% do público feminino relata ter uma conhecida que já sofreu assédio em algum espaço público.




Entre as respondentes, 40% afirmaram viver em residência com carro. Nesses lares, no entanto, o homem fica com o veículo na maioria das oportunidades (55%). Destes condutores que detêm a maior parte do uso do carro, 68% têm relações conjugais com as entrevistadas, enquanto os demais (32%) são parentes.




A pesquisa ainda traz dados sobre acidentes. Contrariando preconceitos sexistas, apenas 29% dos acidentes são causados por mulheres. Elas também recebem menos multas, 30%. Já os homens são responsáveis pela maioria das infrações de trânsito (70%) e das vítimas em acidentes com morte (82%).




Tags: mobilidade, mulheres, assédio, carro, transporte público.

Veja também

Mobility Now