Automotive Business
  
News Mobility Now

Mobility Now

Ver mais notícias
Francesas se unem para criar gigante da tecnologia da mobilidade

Parcerias | 09/04/2021 | 11h14

Francesas se unem para criar gigante da tecnologia da mobilidade

Fundada por Atos, Dassault Systèmes, Grupo Renault, STMicroelectronics e Thales, Software République será ecossistema aberto a startups, governos e outras organizações

GIOVANNA RIATO, AB



Desenvolver soluções de mobilidade que sejam sustentáveis, simples para as pessoas e capazes de melhorar a qualidade de vida nas grandes cidades. É com esta proposta que nasce o Software République, ecossistema fundado por cinco empresas de diferentes segmentos: Atos, especializada em serviços de tecnologia da informação; Dassault Systèmes, que atua na área de software; Grupo Renault, fabricante de veículos; STMicroelectronics, produtora de componentes eletrônicos; e Thales, que trabalha com dados e cibersegurança.

A ideia é reunir as fortalezas das organizações para criar soluções a diferentes clientes, tanto o consumidor final, quanto governos, prefeituras e outras organizações. Jean-Marc Chery, presidente e CEO da STMicroelectronics, falou da importância da união de forças durante coletiva de imprensa na sexta-feira, 9:

“Quando pensamos em mobilidade, há muitos atores com soluções fragmentadas. A proposta do Software République é completa. Vamos ajudar pessoas, organizações e governos regionais a fazer inovação sustentável”, diz o executivo.



Com tanta ambição, mesmo no atual contexto de distanciamento social a iniciativa contará com uma sede própria, que será inaugurada em setembro deste ano, na França. Outro pilar do projeto é que ele não se restrinja às organizações fundadoras.

A ambição é criar um ecossistema aberto de inovação, que no futuro contará inclusive com um fundo de investimento em startups. “Buscamos complementaridades. Deixamos o convite aberto para outras empresas juntarem forças conosco”, declara Elie Girard, CEO da Atos. Apesar de apontarem para soluções globais, inicialmente o consórcio de empresas deve se concentrar na Europa, onde está a matriz de todas as organizações fundadoras.


Elie Girard, da Atos; Bernard Charlès, da Dassault Systèmes; Luca de Meo, do Grupo Renault, Jean-Marc Chery, da STMicroelectronics; e Patrice Caine, da Thales, em anúncio da Software République

AS SOLUÇÕES DA SOFTWARE RÉPUBLIQUE



Inicialmente, o ecossistema trabalhará em três frentes. A primeira é o desenvolvimento de sistemas de conectividade segura entre veículos e a infraestrutura. Outra área de atuação está nos sistemas de simulação e gestão de dados para melhorar o tráfego de pessoas em determinados territórios. Enfim, a terceira frente de trabalho é o desenvolvimento do ecossistema de recarga de veículos elétricos.

“Vamos deixar toda a complexidade envolvida na mobilidade oculta nos bastidores para simplificar a experiência de quem precisa se deslocar”, resume diz Bernard Charlès, CEO da Dassault Systèmes.



Além de boas intenções, o movimento também é motivado por um negócio em ascensão. Ao anunciar o lançamento do Software République, os executivos lembram que o mercado global de mobilidade vai crescer 60% até 2035, segundo projeção do Boston Consulting Group, alcançando receita de € 11 bilhões. A expansão será guiada pela chegada de tecnologias disruptivas, como carros elétricos e novos serviços capazes de adicionar valor à experiência de se deslocar de um ponto a outro, aponta a consultoria.

MENOS CARRO, MAIS MOBILIDADE (E RECEITAS)



“Estamos há mais de um ano vivenciando o mundo de forma digital por causa da pandemia. Quando pensamos na mobilidade do amanhã, precisamos coordenar essa vida digital com o mundo real”, diz Bernard Charlès, CEO da Dassault Systèmes. Segundo ele, a ideia é criar um gêmeo digital que permita aos gestores das cidades, por exemplo, acompanhar os fluxos de tráfego e, assim, melhorar a fluidez da mobilidade e reduzir o impacto ambiental dos deslocamentos.

“Mobilidade não será mais apenas o automóvel. A transição para o carro elétrico, por exemplo, é só uma parte de um conceito muito mais amplo”, diz Charlès.



Luca de Meo, CEO do Grupo Renault, outro cofundador do Software République, não pareceu se incomodar com a afirmação, apesar de liderar uma empresa que gera receitas, principalmente, através da fabricação de veículos.

“É um sonho meu mudar a rota e transformar o Grupo Renault em uma empresa de tecnologia que faz carros, não o contrário”, aponta o executivo.



Ele diz que o ecossistema vai trabalhar em soluções capazes de se adaptar a diversos contextos e, portanto, escaláveis, podendo ser implementadas em diferentes cidades. Para isso, o consórcio de empresas pretende encarar desafios como a regulamentação de novas tecnologias e a cibersegurança da mobilidade. Tudo para trabalhar com a satisfação do cliente de um lado e, do outro, o acesso a uma série de dados valiosos. De fato, a mobilidade parece mais promissora do que a produção de veículos.



Tags: Software République, Atos, Dassault Systèmes, Grupo Renault, STMicroelectronics, Thales, inovação, mobilidade, sustentável, ecossistema.

Veja também

Mobility Now