Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 12/07/2011 | 19h00

MG: chineses com alma inglesa à venda no Brasil

Forest traz carros da marca britânica com preços a partir de R$ 94.789.

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio

Nesta terça-feira, 12, Automotive Business conferiu de perto os carros MG550 e MG6, dois modelos familiares trazidos pela Forest Trade, importadora independente com tradição em trazer ao Brasil esportivos como Lamborghini e Mustang Shelby, por exemplo. Os MG podem ser vistos em um showroom na Avenida Europa, ao lado de outras marcas de prestígio. Mais em conta, o modelo 550 tem preço sugerido de R$ 94.789. O MG6 é vendido por R$ 99.789.

Os MG trazidos para cá são produzidos em Xangai pela Saic, companhia chinesa que detém o controle da marca inglesa desde 2004. Contudo, os centros tecnológico, de estilo e de engenharia da MG continuam em seu país de origem, a Inglaterra. E os carros que abastecem o Reino Unido e toda a Europa são montados em Longbridge, em Birmingham.

A garantia oferecida aqui é de sete anos. A conta utilizada pela Forest Trade para definir esse número é curiosa: “Pegamos a maior garantia oferecida no exterior, que é de dez anos, descontamos 20% por conta de nosso piso ruim, outros 10% em razão do combustível de má qualidade e estabelecemos estes sete anos”, afirma Márcio Milani, diretor de marketing.

Segundo o executivo, os carros foram reprogramados para rodar “com até 40% de álcool ou outras coisas adicionadas à gasolina”, diz Milani. Ele conta que os técnicos ingleses ficaram inconformados com a má qualidade da gasolina que encontraram aqui: “Nas análises que fizeram, houve até mesmo uma substância que eles não conseguiram identificar.”

Até o fim de julho entra em funcionamento a primeira assistência técnica da marca, na Avenida dos Bandeirantes, mesmo lugar onde haverá a primeira concessionária plena da cidade de São Paulo. Toda a rede neste Estado pertencerá à Forest Trade, que nomeará grupos locais em outras unidades da federação. Curitiba (PR) terá em breve uma revenda, depois Florianópolis (SC), Rio e Janeiro (RJ). “Até o fim do ano haverá entre 14 e 18 lojas”, estima o presidente da importadora, Juarez de Souza, que quer ver abertas revendas MG em outras capitais como Belo Horizonte (MG), Cuiabá (MT), Salvador (BA) e Recife (PE).

Parece um número inflacionado se considerarmos que os primeiros carros só começam a ser entregues em agosto (de acordo com a Forest há 200 unidades no Porto de Vitória, ES). A atual previsão de vendas para 2011, de 800 unidades, entra em conflito com a informação dada pela empresa há pouco mais de um mês: em 8 de junho, a Forest Trade falava em “pelo menos 1,2 mil carros este ano”. A projeção também não combina com a pretensão de venda de 1.500 carros até agosto do ano que vem, quando a marca completar um ano de vendas.

Com veículos completos e ostentando o logotipo MG na grade dianteira, a Forest Trade quer atrair compradores outras marcas de prestígio: “Nossos carros custam cerca de 20% a menos que Audi, BMW e Mercedes-Benz”, afirma Milani. Em novembro chegarão dois outros modelos, o MG3 (R$ 57 mil) e o MG350 (R$ 67,5 mil), este último um sedã médio que o importador pretende trazer para brigar com o VW Jetta.

Completos, mas sem surpresas

À esquerda, o MG6, um hatchback com apelo esportivo e preço sugerido de R$ 99.789. O da direita é o sedã MG550, de R$ 94.789. Os dois são equipados com motor 1.8 turbo de 170 cv e vêm completos: teto solar, bancos elétricos, ABS, controle de tração...

Embora não tenham nenhum detalhe interno de cair o queixo, os MG550 e MG6 são bem completos e tudo é de série: ar-condicionado digital com duas zonas distintas de temperatura, couro, bancos dianteiros com regulagem elétrica, teto solar elétrico, sistema de som com oito alto-falantes, câmera de ré e sensor traseiro de estacionamento, entre outros. A segurança é reforçada por seis airbags, freios com ABS, controles eletrônicos de tração e estabilidade e sistema de monitoramento da pressão dos pneus.

A estabilidade é também um destaque dos modelos. A carroceria se inclina pouco, mesmo em curvas bem fechadas. O motor 1.8 turbo é até animadinho: produz 170 cv e trabalha em conjunto com um câmbio automático de cinco marchas que permite trocas manuais. Em rotações abaixo de 3.000 giros, porém, as reações do carro são meio lentas, o que prejudica as retomadas de velocidade e as saídas de curvas.

Os dois modelos têm bom espaço interno. Os porta-malas são diferentes. Com desenho mais convencional, o sedã MG550 leva até 458 litros de bagagem. Com características de um hatchback, o MG6 tem porta-malas um pouco menor, para 429 litros, mas essa capacidade é ampliada para 1.379 litros com o rebatimento do banco traseiro.



Tags: MG, MG550, MG6, MG350, MG3, Xangai, Saic, Longbridge, Reino Unido, Inglaterra, Márcio Milani, Juarez de Souza.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now