Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 26/07/2011 | 19h35

Treinamento é solução para driblar escassez de motoristas

Montadoras ampliam programas e frotistas se esforçam para reter profissionais

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

O aquecimento do mercado de caminhões nos últimos anos evidenciou um gargalo do setor de transportes: a falta de motoristas para o setor. “Ouvimos casos extremos de companhias que deixam de aumentar a frota por conta da falta de motoristas”, conta Marcelo Bouhid, gerente comercial da Iveco. A dificuldade para reter profissionais é outro desafio apontado pelo executivo. “muitos clientes estão passando por isso”, afirma.

Em 2011, a montadora planeja aumentar para R$ 9 milhões o investimento em programas de treinamento. O principal deles é o Top Driver, que já habilitou 13,5 mil profissionais desde 2009. Com 55 instrutores entre a fábrica e a rede de concessionárias, a iniciativa cresce a um ritmo de 25% ao ano em número de horas. A companhia também anunciou recentemente parceria com o Centro de Ensino no Transporte e Tecnologia (CETT), em Lins, interior de São Paulo, para a formação de motoristas.

A Volvo mantém acordo semelhante com a instituição, além de parceria com o Senac do Paraná, onde está instalada a fábrica da montadora. O programa de treinamento da empresa Sueca conta com cerca de 56 instrutores. O aporte anual é de cerca de R$ 2 milhões, descontando o investimento físico, para garantir os caminhões.

Rogério Roa, coordenador de desenvolvimento de competências na rede de concessionárias da companhia, aponta que, em pesquisas de satisfação, os clientes sempre pedem mais treinamento para os motoristas. O executivo identifica duas necessidades: ampliar o número de profissionais e oferecer treinamento para que motoristas que já estão no setor acompanhem o avanço tecnológico dos veículos.

Bouhid, da Iveco, destaca que a evolução dos caminhões representa algo positivo para o motorista. “Os veículos de hoje têm uma condução muito mais fácil, com câmbio automático e cabines confortáveis, por exemplo”, destaca. O executivo acredita que a falta de motoristas no mercado representa mais um desafio para o crescimento do setor mas não tem força para segurar o avanço das vendas.

O ponto de vista é semelhante ao da MAN. Sergio Beraldo, gerente de desenvolvimento da rede da companhia, diz que as empresas de transporte não deixam de assinar novos contratos mas, sem profissionais preparados, podem iniciar “uma operação inadequada, que comprometa a performance do produto e os ganhos”, alerta.

A marca alemã oferece dois tipos de treinamento aos clientes. O primeiro é focado em uma exposição técnica do produto e em aulas práticas. O segundo utiliza a tecnologia de um simulador para expor o condutor às várias condições de trânsito.

As ações do frotista

Os frotistas apostam no profissional como um dos pilares para uma operação eficiente. A JSL, antiga Julio Simões Logística, trabalha pela valorização dos motoristas, que passam por treinamento intensivo e recebem prêmios por resultados. “Investimos anualmente 1,5% do nosso faturamento global em treinamento”, revela Irecê Andrade, diretora comercial da companhia.

Além da preparação oferecida pelas montadoras, a operadora logística tem cursos próprios. Os novos colaboradores passam por um intensivo de, no mínimo, 226 horas, com disciplinas como direção defensiva, condução econômica, atendimento ao cliente e até alimentação saudável. Depois disso os condutores participam de treinamento e atualização pelo menos uma vez por ano.

Cerca de 70% do total de funcionários da empresa são motoristas, algo em torno de 10 mil pessoas. Segundo a JSL, o investimento nos colaboradores é um dos motivos para a companhia ter conseguido driblar a dificuldade de contratar. “Nunca deixamos de iniciar uma operação por falta de motorista mas, quando abrimos vagas, sentimos uma diminuição do número de candidatos”, conta Irecê. Para a diretora, o momento é de adaptação. “Esta profissão passará por uma evolução e teremos então mais interessados”, aposta.

Novos motoristas

A valorização da profissão parece ser um caminho sem volta. Começam a surgir ideias para amenizar as dificuldades que o motorista de caminhão enfrenta, como os longos períodos longe de casa, a falta de infraestrutura viária do País e a rotina solitária.

Roa, da Volvo, aponta que muitas empresas do setor logístico já trabalham com rotas mais curtas, com troca de motorista durante o percurso. “Isso traz um benefício enorme para a operação. O motorista trabalha descansado, conhece melhor o trecho, não para em postos de serviço na estrada e volta para casa com mais frequência”, enumera. O executivo lembra que, no passado, algumas famílias que enxergavam a profissão de motorista como tradição. No futuro, no entanto, “a carreira será planejada e terá uma formação de base”, aposta.



Tags: motorista, caminhão, profissão, Iveco, Volvo, MAN, JSL, logística, transporte.

Comentários

  • juraci coelho

    bom dia, troquei minha habilitação D para E, na intenção de dirigir caminhão pesado, gostaria de saber qual empresa me daria um treinamento de volante e estradas, para que eu pudesse ser um bom motorista de caminhão já tenho curso mopp. Tenho experiencia como motorista de caminhões pequenos e todo tipo de veiculo vinculado a cat.D. aguardo seu retorno. Obrigado!!!

  • vilobaldo

    Tenho CNH D , so que as empresas não mi contrtão por falta de esperiençia, gosta ria de um curso que mi trasnsformace no caminhoeiro!

  • Ramon

    Tenhoacompanhado de perto o trabalho de inclusão das pessoas que tem CNH que os habilitam a conduzir veículos pesados, mas não possuem experiência.E que a JSL tem feito um excelente trabalho voltado de formação e qualificação dessas pessoas que gostariam e precisam entrar para o mercado de trabalho. Mas tem a divulgação dessas ações mas não ficou claro para mim e outras pessoas como podemos fazer parte desse processo.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now