Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Elétricos e híbridos | 16/08/2011 | 15h27

Chevrolet Volt surpreende como veículo de uso diário

Carro elétrico de autonomia estendida é agradável de dirigir

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio, AB Desenho inspirado, futurista, muita tecnologia e bom espaço para quatro pessoas são características marcantes do Chevrolet Volt, que a General Motors trouxe ao Brasil para mostrar ao meio acadêmico, gerar palestras e certamente acalorar discussões sobre o futuro do carro elétrico.

A GM deixa claro que não tem, pelo menos por enquanto, a intenção de vender o modelo no Brasil. Com preço sugerido de US$ 41 mil nos Estados Unidos, ele chegaria aqui a mais de R$ 200 mil, isso sem incluir na conta o custo de eventuais tropicalizações, certamente mais caras e trabalhosas que as de um modelo a gasolina.

Mesmo assim, a montadora trouxe e emplacou cinco carros e criou o programa “VoltXpedition 2011 - Energias Renováveis”, que percorrerá seis Estados divulgando a tecnologia do modelo. O veículo já marcou presença em eventos voltados ao público jovem e numa competição automobilística, da qual foi o carro-madrinha. Até o fim do ano ele estará em pelo menos mais cinco eventos.

Em sua aparição na Stock Car, o carro foi dirigido pelo bicampeão mundial de Fórmula 1, Émerson Fittipaldi, que se mostrou surpreso com a dirigibilidade. Automotive Business também aprovou o modelo, pelo menos nos trechos do Rodoanel Mário Covas e nas avenidas em que foi possível dirigi-lo.

As retomadas de velocidade são sempre rápidas, lembrando a agilidade de um carro com motor 2.0. A velocidade máxima divulgada é de 160 km/h, nada mau para um veículo ambientalmente correto. Em pequenas subidas ele também convenceu.

O Volt utiliza dois motores elétricos. Em conjunto eles geram o equivalente a 150 cv. São alimentados por uma grande bateria de cerca de 1,80 metro e 198 quilos em forma de “T” e feita de íons de lítio. Para carregá-la em 110 volts é preciso oito a dez horas. Em 220 V o tempo cai para quatro a cinco horas.

E como a autonomia que fornece é um tiro curto, de cerca de 60 quilômetros, o carro também utiliza um motor estacionário (1.4 a gasolina, com 84 cv), que entra em ação automaticamente assim que termina a carga da bateria. Ele fornece energia diretamente aos motores elétricos do Volt, não é destinado a recargas.

“Essa unidade estacionária também é acionada em situações em o motorista exija fundo do carro, como uma ultrapassagem”, explica o engenheiro elétrico da General Motors, Gino Spada. Isso ocorre mesmo que a bateria esteja com toda a carga. Saindo com a bateria carregada e o tanque de gasolina cheio, o carro roda até 560 quilômetros, segundo a GM.

No painel se destaca a indicação de nível de carga da bateria, à esquerda do velocímetro, representada por uma grande pilha. Voltando àquela aula de ciências do ensino fundamental, lembramos que a invenção da pilha ocorreu em 1800 e é atribuída ao físico italiano Alessandro Volta, de quem este Chevrolet herdou o nome. Outro indicador importante no painel, este à direita, é uma espécie de econômetro, que induz o motorista a poupar energia enquanto dirige.

Silencioso e muito fácil de guiar

Em movimento, chama a atenção o silêncio de rodagem. Só se ouve o ruído dos pneus no asfalto. Mesmo a entrada em funcionamento do motor estacionário é difícil de perceber. Ele trabalha sem muito alarde sob o capô dianteiro, girando entre 1.500 e 4.800 rpm.

O Volt é fácil de dirigir, como se fosse um modelo automático. Para liga-lo só é preciso portar o chaveiro e apertar um botão no painel. Com a transmissão em “D” e pé no acelerador, lá vai ele, sem barulho, mas chamando muito atenção. Adesivadas e andando em comboio, as cinco unidades atraíam todos os olhares pelo caminho da VoltXpedition.

Um casal de adolescentes interrompeu o amasso no muro da escola para vê-lo passar. Os motoboys torciam o pescoço para olhar a novidade. Todo o mundo apontava, surpreso com a carreata elétrica.

A posição de dirigir é muito fácil de encontrar. O volante tem ajustes de altura e profundidade. Os bancos são bem envolventes e têm revestimento de couro. Uma grande tela no centro do painel ajuda a lidar com o som, o ar-condicionado. Nem tudo, porém, tem funcionamento intuitivo. O espaço para as pernas de quem vai atrás é bom, mas o porta-malas de 300 litros é pequeno para o porte do carro. A visibilidade traseira é prejudicada em dias de chuva pela falta de um limpador.

A estabilidade é um ponto de destaque do carro, assim como os freios, que têm sistema antitravamento (ABS) e são regenerativos, ou seja, transformam em eletricidade parte da energia gasta para reduzir a velocidade do carro.



Tags: Chevrolet, Volt, VoltXpedition, General Motors, Gino Spada, pilha, Alessandro Volta.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now