Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 02/03/2012 | 18h20

Argentina quer pagar gás com biodiesel

Objetivo é conter gasto em dólar com combustíveis

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

Por enfrentar escassez de dólares e alto custo das importações de combustíveis, a Argentina quer mudar os termos de pagamento de importações de gás por via marítima, negociando descontos e oferecendo, em vez de dinheiro, biodiesel produzido a partir de óleo de soja. A notícia é da agência Reuters.

A contração do saldo comercial do país, em parte por causa das importações crescentes do setor de energia, forçou o governo a determinar que a estatal de energia Enarsa limite os gastos em moeda americana. As importações de combustíveis são normalmente realizadas em dólares.

Em uma carta enviada há duas semanas, a Enarsa pediu aos seus fornecedores de gás natural liquefeito (GNL) que diminuam em pelo menos 15% os custos de entrega, disse uma fonte da estatal energética. Ainda segundo a Reuters, o braço de comercialização de GNL do banco de investimento americano Morgan Stanley estaria negociando com a Enarsa para renunciar às transferências tradicionais de dinheiro, em favor de aceitar o biodiesel produzido localmente.

O banco, que pretende entregar pelo menos cinco carregamentos de GNL para o país este ano, já havia trocado esse tipo de gás por biodiesel argentino em 2009. A terceira maior economia latino-americana é o maior exportador de óleo de soja. Prevê-se que a exportação do grão e seus derivados a partir do país vizinho seja menor este ano pela falta de chuvas, ao mesmo tempo em que aumenta sua dependência de combustível importado.

A Argentina importa gás por terra e mar. A Enarsa discute com os fornecedores de GNL esforços para reduzir o custo das importações. Uma fonte da Enarsa teria informado à Reuters que a estatal pediu aos fornecedores uma redução de preço para adequação aos valores da Europa e América. A redução desejada seria de US$ 2 por MMBtu (milhão de unidades térmicas britânicas), mas a obtida estaria em US$ 0,50.



Tags: Argentina, Enarsa, GNL.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now