Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 23/08/2012 | 22h50

GM: metas de eficiência energética exigirão investimento brutal

Companhia estima que melhoria de 2% exija aporte de R$ 1 bilhão em desenvolvimento

GIOVANNA RIATO, AB

A General Motors mostra preocupação com as metas de eficiência energética que o governo estuda impor para os veículos como parte do novo regime automotivo. Marcos Munhoz, vice-presidente da companhia no Brasil, avalia que a legislação em discussão é muito rigorosa. “Eles querem nos pedir melhoria da ordem de 10% na média dos motores da frota até 2017, isso exigiria um investimento brutal, com aumento brutal no preço do carro”, afirmou em entrevista à imprensa durante lançamento do Cobalt 1.8 (leia aqui).

O executivo estima que, para tornar um propulsor 2% mais eficiente, seria necessário aporte de R$ 1 bilhão. “Essa quantia cresce rapidamente conforme aumentamos nossa meta”, explica. O governo pretende exigir nível de emissão de 135 gramas de CO2 por quilômetro a partir de 2017 para a média da frota produzida por cada empresa no País. As fabricantes pedem que o número máximo seja 155 g/km. “Regular é correto, só não podemos ter nível de exigência tão elevado”, avalia.

A opinião de Munhoz diverge de outro executivo da organização, Pedro Manuchakian, vice-presidente de engenharia, que favorável ao programa de eficiência energética. O executivo afirma ainda que, caso a regulação seja definida, a GM deve desenvolver novos motores no Brasil (leia aqui).

Munhoz também não está tão seguro de que o novo regime automotivo será capaz de impulsionar a competitividade do setor no Brasil. “Não posso fazer uma análise cuidadosa porque a política ainda não foi regulamentada”, admite. Apesar disso, ele lembra que é importante incentivar cada ponto da cadeia, para que o ciclo continue funcionando.

“Precisamos de algo amplo, que envolva até fornecedores de matéria-prima.” O dirigente também destaca a necessidade de estimular as vendas de carros usados: “Sem isso, não vendemos os novos.” Para ele, é essencial também estruturar a renovação da frota, com a retirada dos carros antigos de circulação, o que estimularia também uma indústria de desmontagem. Uma maneira de fazer isso seria aumentar os impostos à medida que os veículos envelhecem.

VENDAS ESTÁVEIS

Diante dos altos e baixos do mercado ao longo de 2012, a General Motors espera vendas estáveis em relação ao ano passado, em torno de 640 mil veículos. Desde maio, o volume é puxado pela redução do IPI. A montadora também aposta na renovação do portfólio para manter os negócios aquecidos. Até o fim deste ano, são esperados três modelos. Um deles será uma versão. Os outros dois são totalmente novos: o aguardado Ônix, que substituirá o Corsa, e a Blazer.



Tags: General Motors, GM, eficiência energética, Marcos Munhoz, regime automotivo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now