Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 15/10/2012 | 10h56

IQA: certificação garante qualidade ao mercado

Avaliação obrigatória pelo Inmetro movimenta indústria, importadores e comércio

SUELI REIS, AB

O Programa de Avaliação da Conformidade para Componentes Automotivos do Inmetro, publicado em novembro de 2010, sob a Portaria 445, que determina a certificação compulsória de alguns componentes fabricados e/ou importados para o Brasil, movimentou positivamente a cadeia de suprimentos. A avaliação é de Mario Guitti, superintendente do IQA, Instituto de Qualidade Automotiva.

A obrigação da certificação trouxe progresso em diversos aspectos, como as melhorias em processos de produção para garantir a qualidade dos produtos. “A exigência consolidou a consciência da indústria sobre a excelência da qualidade, o que resultou na mobilização não só das empresas, mas de toda a sociedade, que está mais exigente”, comenta.

O IQA acompanhou de perto o processo de adaptação das empresas envolvidas. Guitti relata que para se preparar para as auditorias, algumas empresas tiveram de recorrer a mais recursos do que outras, o que gerou custo adicional. “Existem companhias muito conscientes do que era necessário fazer. No fim, não é um custo, mas sim um investimento.”

Outra realidade observada pela entidade foi a de empresas que atendem tanto o mercado de reposição quanto OEM. “As montadoras são muito exigentes com o quesito qualidade, isso refletiu na facilidade com que algumas fornecedoras cumpriram as normas exigidas pelo Inmetro. Para aquelas que ainda não fornecem, é uma oportunidade para se adequarem a um mercado cada vez mais competitivo, apesar de a portaria se referir apenas às peças para o mercado de reposição.”

CONFORMIDADE

A Portaria 445 dita que as fabricantes de autopeças têm até janeiro de 2013 para se adequar às novas normas, que estabelecem os requisitos mínimos de segurança para peças e acessórios. Os componentes envolvidos são amortecedores da suspensão, bombas elétricas de combustível para motores de ciclo otto, buzinas, pistões de liga leve de alumínio, pinos e anéis de trava ou retenção, anéis de pistão, bronzinas, lâmpadas e por fim, rodas automotivas (Portaria 301), todos destinados ao mercado de reposição. Já o comércio terá até julho de 2014 para oferecer apenas peças certificadas pelo Inmetro. Para rodas este prazo se estende até janeiro de 2015.



Tags: IQA, certificação, conformidade, auditoria, mercado de reposição.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now