Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Motores | 06/11/2012 | 16h59

Teksid aponta recuo de 12% no volume de vendas em 2012

Recuperação deve ocorrer ao longo de 2013

PAULO RICARDO BRAGA, AB

Em 2011, a mineira Teksid do Brasil, de Betim, consumiu 261 mil toneladas de ferro para fabricar blocos e cabeçotes de motores. Este ano, a empresa vai processar apenas 230 mil toneladas. O recuo de 12% ilustra a soma de dificuldades enfrentadas em ano de complexidade para fornecedores de autopeças de veículos leves e pesados. O mercado de caminhões despencou com a mudança na legislação Euro 3 para Euro 5 e só reagiu em outubro, graças a um empurrão das taxas atrativas do Finame. Já na área de automóveis e comerciais leves os altos e baixos foram provocados pelas alterações no IPI, impacto do Inovar-Auto e financiamentos no varejo.

Embora o comportamento do mercado em 2013 ainda seja uma incógnita, há boas possibilidade de avanço para empresas como a Teksid e suas concorrentes Tupy, especialista em blocos e peças de ferro para motores diesel, e a Nemak, maior fornecedora local de blocos e cabeçotes de alumínio para propulsores otto (gasolina e etanol).

As exportações não foram muito animadoras. Depois de vender 65 mil toneladas ao exterior em 2011, a Teksid deve contabilizar no máximo 50 mil este ano. “Esperamos uma reação da ordem de 10% para 2013”, arrisca Raniero Cucchiari, gerente comercial para o Mercosul . Do volume vendido ao exterior apenas 4 mil t correspondem a produtos para veículos leves, endereçados à Chrysler, nos Estados Unidos.

Da variedade de fundidos comercializados pela empresa de Betim este ano, 70% (161 mil t) correspondem a blocos e cabeçotes de ferro. Desse subtotal, 90 mil t vão para motores ciclo otto e 71 mil para diesel. Os restantes 30% representam pontas de eixo, coletores, volantes, girabrequins, tambores de freio, capas de mancal e outras peças.

A Teksid tem capacidade para fundir 300 mil toneladas/ano de ferro em Betim e possui também uma fundição de blocos de motor no México, com capacidade para 120 mil t/ano e maior competitividade para exportações.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

De olho na legislação de eficiência energética veicular que estará embutida na regulamentação final do Inovar-Auto, as montadoras locais já estão se mobilizando para a renovação de seus motores até 2017. Em muitos casos, será indispensável adotar projetos totalmente novos, em linha com produtos oferecidos no mercado internacional. Os programas são confidenciais e a maioria dos fabricantes está à espera do detalhamento do projeto de eficiência energética que o governo prometeu.

Raniero desconversa quando se trata de falar a respeito dos programas das montadoras, mas garante que a Teksid estará pronta a atender o mercado utilizando como matérias-primas o ferro cinzento, a liga HPI (ferro de alta resistência mecânica, para otto) e até mesmo alumínio. Em 2012 estão sendo fabricados 350 mil cabeçotes de alumínio, volume que poderá subir para 600 mil em 2013. A empresa está pronta para chegar à capacidade de 1,6 milhão de unidades, com novos investimentos. “Se houver demanda de blocos de alumínio estaremos prontos para responder”, disse o executivo.



Tags: Teksid, blocos de motores, cabeçotes, Chrysler, Nemak, Tupy.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now