Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Renault no terceiro ano de crescimento recorde
Schmidt: mais números recordes a apresentar em 2012

Negócios | 13/11/2012 | 18h30

Renault no terceiro ano de crescimento recorde

Com parada da fábrica no Paraná, primeiro trimestre de 2013 deve ser fraco

PEDRO KUTNEY, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

A Renault do Brasil deve fechar 2012 com crescimento de 25% sobre 2011, somando três anos seguidos de expansão recorde, acima de 20% e quase três vezes superior à média do mercado de veículos leves no País este ano. O vice-presidente comercial da empresa, Gustavo Schmidt, explica que o desempenho invejável está lastreado em um tripé: produtos certos (leia-se boa relação custo-benefício), expansão da rede de concessionárias (30 pontos a mais só em 2012, totalizando 235) e capacidade produtiva ascendente da fábrica de São José dos Pinhais (PR), que avança em mais 100 mil unidades/ano em 2013, para 320 mil/ano, após investimento de R$ 500 milhões – um terço do aporte de R$ 1,5 bilhão programado de 2010 a 2015.

O avanço acelerado provoca dores do crescimento: para seguir com a expansão da fábrica brasileira, que passará do ritmo atual de 47 veículos por hora para 60, a Renault terá de paralisar a linha de produção por oito semanas, de 8 de dezembro até 8 de fevereiro, justamente quando as vendas sobem com a chegada do fim do ano. “Por isso atrasamos um pouco a parada, que estava programada para 15 de novembro. Fizemos estoque de dois meses”, explica Schmidt. Ele calcula que dessa forma não haverá falta nas concessionárias dos dois campeões de vendas da marca no País, Sandero e Logan, que são produzidos no Paraná. Também ajuda a chegada do Clio renovado (leia aqui), o modelo de entrada lançado esta semana, feito na Argentina e portanto não afetado pela paralisação da produção no Brasil.

Para Schmidt, a parada em São José dos Pinhais, somada ao provável fim do desconto do IPI, traça um cenário de desaquecimento no início de 2013. “Teremos um primeiro trimestre fraco. Já estimamos que nesse período vamos sofrer com queda nas vendas de 15% a 20% em relação ao ano anterior”, diz. “Queremos no ano que vem fazer em 10 meses o que fazemos em 12.”

De janeiro a outubro deste ano, o crescimento das vendas da Renault chegou a 34% em relação a idêntico intervalo de 2011. “Este porcentual deve cair a 25% até o fim do ano porque a base de comparação com o mesmo período do ano passado é muito alta”, explica Schmidt. “Mas já consideramos 2012 um ano fantástico para a Renault.”

A marca francesa tem hoje participação de 6,7% nas vendas totais de veículos leves no País e já estima passar de 7% em 2013 com a chegada do reforço do Clio, o mais barato carro popular do mercado brasileiro até o momento. Schmidt avalia que ainda há espaço para crescer mais: “Prova disso é o nosso share nas 26 capitais brasileiras mais o Distrito Federal, que chega a 8,2%, porque estamos mais presentes nessas localidades”, diz. Ele afirma que a rede Renault já cobre 82% do território e o objetivo é continuar crescendo.



Tags: Renault, crescimento, desempenho, mercado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now