Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
O Renault Captur pode ser brasileiro?
O Renault Captur pintado com a bandeira brasileira: por enquanto, só no Facebook.

Marketing | 08/03/2013 | 19h21

O Renault Captur pode ser brasileiro?

Quem quiser pode vestir o crossover com a bandeira do Brasil no Facebook, mas há rumores que o carro poder ser feito aqui, algo improvável

PEDRO KUTNEY, AB

Quem quiser ver um Renault legítimo brasileiro, não fará isso em nenhuma fábrica no Brasil, mas pode apelar ao Facebook, onde a fabricante francesa criou um aplicativo para “vestir” o novo Captur com uma das 12 bandeiras nacionais (incluindo a do Brasil) escolhidas para um concurso. Na página da marca na rede social (veja aqui), o internauta pode votar até o próximo 18 de março na bandeira preferida para personalizar a pintura do crossover (modelo que mistura elementos de utilitário esportivo com automóvel). A Renault promete produzir uma unidade com a personalização mais votada, que será exposta em diversos eventos durante o ano, além de sortear um dos eleitores para uma viagem VIP com acompanhante para o Festival de Cinema de Cannes deste ano, na França.

Por enquanto, essa é a única possibilidade de “fazer” um Renault brasileiro, já que os carros feitos pela montadora no Paraná são todos projetos da subsidiária romena Dacia, vendidos na América do Sul com o losango da marca na grade frontal. Contudo, existem rumores que o Captur poderia ser produzido de verdade na planta de São José dos Pinhais – que passou por obras de ampliação e modernização e já foi preparada para produzir modelos de outras plataformas além de Sandero, Duster e Logan (leia aqui).

No Salão de Genebra deste ano (de 7 a 17 de março), onde o Captur foi apresentado pela primeira vez ao público, Carlos Ghosn, CEO da Aliança Renault Nissan, deixou no ar a possibilidade de o carro ser introduzido também no Brasil, com declarações dúbias, como essa publicada pelo site Carro Online: “Primeiro ele (o Captur) precisa ser lançado nos mercados europeus, mas é preciso ter em mente que é um modelo mundial”, destacou o executivo.

DECISÃO IMPROVÁVEL

Existe a opção de se importar o Captur para o mercado brasileiro, mas com a sobretaxação sobre importados o carro chegaria por aqui com preço nas alturas, nada competitivo diante de concorrentes que já são ou serão feitos no Brasil, como o Ford EcoSport e Peugeot 2008, com os quais ele também vai brigar na Europa.

Há ainda um conflito adicional: o Captur iria competir aqui com outro Renault no mesmo segmento de mercado, o Duster. Portanto, fazer o novo crossover compacto no Brasil seria mudar a estratégia sobre a qual a Renault vem construindo seu crescimento no País. O Captur é fabricado sobre a mesma plataforma da quarta geração do Clio, lançado no fim de 2012 na Europa, com avanços tecnológicos que a fabricante descarta oferecer aos brasileiros porque elevaria os preços a níveis além do poder de compra local, na visão da companhia. Assim a Renault escolheu para o Brasil os modelos mais simples e baratos da Dacia.

A bem da verdade, nem no Facebook o Captur vestido de Brasil está ganhando. Na rede social a bandeira brasileira compete com Alemanha, Argélia, Argentina, Espanha, França, Índia, Itália, Reino Unido, Romênia, Suíça e Turquia. Na votação até a sexta-feira, 8, as três pinturas personalizadas mais votadas eram, pela ordem, da Turquia, Argélia e Romênia – isso mesmo, até os romenos da terra da Dacia parecem preferir um Renault.

Renault



Tags: Renault, Captur, Facebook, concurso, produção, Paraná.

Comentários

  • Luiz

    Infelizmente continuamos relegados a segundo plano, tendo que se contentar com veículos de segunda linha, os quais somente quando se tornam praticamente descartáveis ou desatualizados na Europa, a planta, então, é transferida para o Brasil, como se fosse incorporação de tecnologia de vanguarda - a renovação no Brasil é, quase sempre, o descarte de outros países. O Renault Duster, apesar de seus predicativos, tem um motor ultrapassado, que é do Scenic de 13 anos atrás, com acabamento desprezível, quando comparado ao Aircross. Penso quando vamos ser respeitados com consumidores brasileiros, se não somos mais exigentes, por produtos que, apesar do nível de qualidade e tecnologia incorporada, muito inferior aos veículos da Europa, pagamos cerca de 40 a 50% a mais, não apenas em razão da tributação, mas também do excesso de lucro que é exigido.

  • Flavio

    A Renault esta bobeando em não lançar o Captur no Brasil, Com certeza não irá fazer concorrência com seu modelo Duster, o qual eu jamais compraria, parece um dinossauro kkkk, mas estou a espera do captur e com certeza serei um dos primeiros compradores, seu visual e lindo e tecnologia muito superior ao ecosport e tracker.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now