Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Ford começa a produzir Cargo extrapesado
O Cargo extrapesado de nº 1 é um vermelho 6x2.

Comerciais | 25/06/2013 | 19h45

Ford começa a produzir Cargo extrapesado

Mas só será vendido a partir de setembro

CAMILA FRANCO, AB

A Ford celebrou a produção do primeiro Cargo extrapesado na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, na manhã da terça-feira, 25. Apesar de já estar sendo produzido em série, o modelo, responsável por colocar a Ford neste segmento, só estará disponível nas concessionárias em setembro. O novo diretor de operações de caminhões da Ford América do Sul, Guy Rodriguez - que substitui Oswaldo Jardim (leia aqui) -, conta que a capacidade produtiva da unidade não foi alterada para antecipar as vendas.

“Temos cerca de 700 funcionários trabalhando em um turno, durante cinco dias, o que nos capacita a produzir tanto o extrapesado como a nova Série-F, que começa a ser fabricada no ano que vem (leia aqui). Atualmente, a planta é capaz de fazer 160 caminhões por dia, volume ao qual temos nos aproximado”, comentou Rodriguez.

Algumas alterações foram feitas na unidade para receber o novo caminhão. Uma das mudanças foi a elevação do teto e dos transportadores aéreos para acomodar a cabine de tamanho maior. A Ford diz que a linha de montagem também recebeu novos equipamentos para garantir o nível de qualidade e produtividade, mas não revela quais.

Tanto o desenvolvimento do Cargo, que é o primeiro caminhão global e também o primeiro extrapesado da marca, quanto a adaptação da fábrica, foram realizados com parte do investimento de R$ 670 milhões, que tem sido aplicado pela Ford Caminhões no período 2011-2015 para ampliar a sua participação no segmento de comerciais.

DESENVOLVIMENTO

O maior dos Cargo, segundo Oswaldo Jardim, que participou de todo o seu projeto, começou a ser desenvolvido em 2009 em parceria com a Ford Turquia, onde o já é vendido desde janeiro deste ano. É equipado com motorização FPT de 420 cavalos de potência tanto para o modelo com tração 6X2 (configuração Cargo 2042) quanto para o 6X4 (Cargo 2842). A capacidade máxima de carga é de 56 toneladas.

A Ford ainda não revelou detalhes técnicos e nem preço do Cargo extrapesado brasileiro (os preços do segmento giram de R$ 350 mil a R$ 400 mil). Mas Jardim assegura que o modelo tem índice de nacionalização acima de 60% e, portanto, poderá ser financiado pelas taxas atrativas do BNDES Finame/PSI, de 4% a partir do segundo semestre.

Parte das unidades produzidas no País, segundo o vice-presidente Rogelio Golfarb, serão exportadas à América do Sul. A Argentina será o principal cliente.

VENDAS

A Ford não dá pistas de quanto está produzindo do novo Cargo e muito menos de quantas unidades pretende vender. Mas deixa claro que a sua aposta é alta no segmento de extrapesados, que vem crescendo no País: em 2009, foram vendidas 20,5 mil unidades (20,5% do mercado); em 2011, quase 40 mil (23%); e em 2012, 33,7 mil (24,6%).

“2013 é o ano de caminhões para o Brasil. E entrar no segmento de extrapesados representa muito para Ford, que agora passa a ter uma linha completa de caminhões. As vendas dos modelos extrapesados somaram mais de R$ 10 bilhões em 2012 e continuarão a crescer em 2013 com a safra recorde. Estamos confiantes de que o Cargo atenderá as necessidades do mercado”, declarou o presidente da Ford Brasil e Mercosul, Steven Armstrong.

Diante da ascensão dos extrapesados, a Ford prevê que o mercado total de caminhões fechará 2013 com 152 mil unidades vendidas, com crescimento de 8% sobre 2012. Os extrapesados deverão responder por cerca de 40 mil unidades.

Assista à entrevista exclusiva com Guy Rodriguez, o novo diretor de operações de caminhões da Ford América do Sul:



Tags: Ford, Cargo, caminhões, extrapesado, Rogelio Golfarb, Guy Rodriguez.

Comentários

  • Jeff Beck

    Ótima notícia pois a Ford sempre apresenta uma ótima relação custo/benefício em seus produtos. Espero que também se torne um grande "player" neste segmento. Gostaria de saber qual será a motorização do Cargo extrapesado no Brasil: Cummins ou FPT?

  • Jorge Pimentel de Morais

    Prezados, Mais uma vez alerto sobre os termos utilizados, visando um melhor entendimento. O termo " capacidade de transporte não é de uso cotidiano. Para um melhor entendimento seria ideal PBT - Peso bruto total -, ou PBTC - Peso Bruto Total Combinado -. A capacidade de carga líquida está relacionada aos implementos utilizados, cuja configuração determina a Tara do veículo. Diminuindo a Tara do PBT ou PBTC temos a capacidade de CARGA. Sempre acompanhando este espaço nobre de informação,e esperando estar colaborando com a relevância das abordagens, Atenciosamente. Jorge Morais.

  • davi

    ja que vao produzir mais e vai ser susseso podia dar esse n 1 pra mim

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now