Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Congresso Fenabrave: contorcionismo e mensagens às montadoras
Casal de contorcionistas e Flávio Meneghetti: mensagem sobre o desafio de viver com margens apertadas e mudar padrão dos negócios.

Distribuição | 07/08/2013 | 21h35

Congresso Fenabrave: contorcionismo e mensagens às montadoras

Associação dos concessionários pede cuidado com excesso de produção e vendas diretas

PEDRO KUTNEY, AB

A apresentação de um casal de contorcionistas durante a cerimônia de abertura oficial do 23º Congresso Fenabrave expôs de forma subliminar o esforço que boa parte dos concessionários faz para viver com margens cada vez mais apertadas, em um negócio que ainda depende demais, em torno de 65%, dos ganhos nas vendas de veículos novos. Nesse cenário, Flávio Meneghetti, presidente da associação dos distribuidores, a Fenabrave, destacou em seu discurso que os integrantes do setor têm pela frente a difícil missão de mudar as suas fontes de lucro, com mais investimento nos serviços financeiros e de pós-vendas. Apesar do clima de cordialidade, com muitos representantes das montadoras na plateia e no palco, Meneghetti também aproveitou para mandar mensagens diretas aos seus principais fornecedores, pedindo que eles colaborem com os concessionários ao evitar excesso de produção e vendas diretas, o que normalmente ocorre em momentos de retração de mercado, como exatamente agora.

“Nos próximos anos a volatilidade traz importantes desafios e temos de nos preparar em um cenário com margens cada vez mais estreitas. O mercado fecha sempre em 100% e o excesso de produção em deve ser evitado”, afirmou o dirigente. “Vendas diretas são um caminho perigoso quando passam de certos limites”, acrescentou, sobre a prática das montadoras de vender com grandes descontos carros a frotistas, como locadoras, que depois vendem esses veículos como seminovos. Meneghetti lembrou que a Fenabrave já negocia com o Confaz (conselho das secretarias estaduais de Fazenda) a adoção do gravame obrigatório de 12 meses para esses negócios, o que impediria a venda dos veículos antes desse prazo. “Isso deverá inibir os pseudofrotistas que trazem danos ao nosso mercado”, destacou.

O presidente da Fenabrave destacou a importância econômica do setor que representa, com participação de 5,7% no PIB nacional das 7,2 mil concessionárias no País que empregam 390 mil pessoas e faturaram R$ 237 bilhões em 2012. Por isso Meneghetti defende que os concessionários sejam mais ouvidos nas discussões sobre mobilidade e meio ambiente. “O Brasil ainda tem uma das mais altas cargas tributárias sobre veículos do mundo e se somos relevantes para a economia precisamos ser vistos dessa forma. Uma pessoa não pode se sentir culpada só por entrar em seu carro e dar partida para ir trabalhar.”

Por outro lado, Meneghetti voltou a pedir a adoção de um programa de reciclagem veicular no Brasil, com a criação das desmontadoras de veículos. “O programa pode reduzir acidentes e mortes no trânsito, além de gerar emprego e renda. Já levamos a proposta ao ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e vamos insistir na implantação do marco regulatório para a indústria desmontadora.”

Para o presidente da associação dos concessionários, será fundamental para o setor mudar a fonte de seus resultados nos próximos anos. “Precisamos elevar a participação do F&I (serviços financeiros e seguros) e do pós-venda, a exemplo do que fazem nos Estados Unidos, onde os concessionários conseguiram superar as turbulências de mercado.”

É fato: segundo pesquisa apresentada pela consultoria JD Power no mesmo evento, hoje de 60% a 65% dos lucros dos concessionários brasileiros vêm das vendas de carros novos, enquanto 20% a 25% vêm da prestação de serviços de pós-vendas e de 5% a 10% das vendas de usados. Nos Estados Unidos os zero-quilômetro representam só 5% dos lucros, os usados 22% e o pós-vendas (serviços e peças) ficam com 73% dos ganhos.

O MAIOR DA HISTÓRIA

O 23º Congresso e Expo Fenabrave é o maior evento já realizado pelo setor de distribuição de veículos no País até agora. O evento, que acontece de 7 a 9 de agosto no Expo Center Norte, em São Paulo, tem número recorde de expositores: são 100, crescimento de 30% sobre 2012, incluindo diversos fornecedores de serviços e 10 montadoras – as chinesas Chery e Geely fazem sua estreia na exposição; e a Geely, que só começa a vender por aqui em novembro, expõe pela primeira vez dois carros ao público brasileiro. São esperados 6 mil visitantes, sendo que 3 mil deles deverão assistir também às 40 palestras nacionais e internacionais que fazem parte do congresso.



Tags: Fenabrave, Congresso Fenabrave, concessionários, vendas, mercado, montadoras, Flávio Meneghetti.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now