Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/12/2013 | 17h15

Produção de máquinas é a maior dos últimos 3 anos

Anfavea comemora resultado, mas reclama da falta de definição das novas taxas do PSI

CAMILA FRANCO, AB

2013 ainda não acabou, mas a Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, já tem o que comemorar quando o assunto é máquinas agrícolas e de construção. Em reunião com a imprensa na quinta-feira, 5, Luiz Moan, presidente da entidade, informou que o segmento teve nos onze meses de 2013 a melhor produtividade dos últimos três anos. De janeiro a novembro, foram fabricadas no mercado interno pouco mais de 94 mil máquinas (8,3 mil só em novembro), volume superior ao dos doze meses de 2010, que tinha sido o melhor dos últimos anos, com 88,9 mil unidades.

-Veja aqui os dados da Anfavea.

O que explica este resultado, segundo Milton Rego, diretor da Anfavea, é a renovação das frotas. “Em 2013, o agricultor aproveitou os juros mais baixos do PSI (Programa de Sustentação do Investimento), do BNDES, para levar mais tecnologia ao campo. Foi um ano excepcional, sem problemas climáticos e de sanidade, e seus resultados não se repetirão em 2014”, afirma o diretor.

Rego concorda que há motivo para celebrar: “Estamos com um crescimento acumulado de quase 20% nas vendas internas em relação a 2012, para mais de 77,2 mil equipamentos. Na comparação de novembro deste ano com o do ano passado, a alta foi de 2,4%, chegando a 6 mil unidades.”

Contudo, o executivo salienta que também há com que se preocupar: “Os volumes de vendas poderiam ter sido melhores em novembro se as novas taxas do PSI Finame para 2014 já tivessem sido anunciadas. Tivemos neste último mês uma queda de 17,6% sobre outubro. Sem está definição o segmento é muito prejudicado.” Mais de 90% das máquinas vendidas no Brasil são financiadas pelo programa.

“O BNDES estipula que os pedidos de equipamentos sejam inseridos em seu sistema até o dia 13 de dezembro para programar os desembolsos efetivos. Mas os agentes financeiros precisam de um prazo de um mês para fazer este processo e tê-lo aprovado. Isso significa que desde 30 de novembro não conseguimos aprovação dos financiamentos porque não sabemos qual será a taxa vigente a partir do mês seguinte, que já será o início de 2014”, explicou Moan.

“Estamos satisfeitos com os resultados atingidos até agora, mas preocupados com este e os próximos meses. Apesar de receber os pedidos, eles não podem ser processados”, disse Milton Rego. “Sem o anúncio da nova taxa, que deve ocorrer nos próximos dias, não saberemos o nível de encomendas para dezembro e também para janeiro”, completou Moan.

O diretor da Anfavea acredita que a nova taxa do PSI deverá ter crescimento pequeno, entre 1% e 1,5%, para 5% a 5,5%.

EXPORTAÇÕES

Enquanto o cenário é de indefinição no mercado interno, as exportações continuam a cair. Em novembro a baixa foi de 18,1% em relação ao mesmo mês de 2012, para 1,4 mil máquinas. No acumulado do ano, a retração é de 5,1%, com 14,6 mil unidades enviadas. Milton Rego diz que o ano deve ser encerrado com pouco mais de 14 mil máquinas exportadas, sem grandes compras da Argentina, o nosso principal cliente.



Tags: Máquinas agrícolas, máquinas, Milton Rego, Anfavea, PSI.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now