Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Vendas caem 5,4% em 2014, projeta Anfavea

Mercado | 07/07/2014 | 16h59

Vendas caem 5,4% em 2014, projeta Anfavea

Embora revisão das previsões aponte segundo semestre mais forte

SUELI REIS, AB

Passado meio ano e após analisar o desempenho e a situação do mercado neste período, a Anfavea apresenta a revisão de suas projeções para 2014, e conforme o presidente da entidade, Luiz Moan, já havia sinalizado, o viés é de retração nas vendas de veículos: a associação que reúne a maior parte das montadoras instaladas no País aponta queda de 5,4% nos licenciamentos deste ano, para 3,56 milhões de unidades, considerando automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, contra os 3,76 milhões de veículos novos entregues no ano passado. Em sua projeção anterior, divulgada em janeiro e sustentada por seis meses, a entidade previa leve crescimento de 1,1%, para 3,81 milhões.

- Veja aqui as estatísticas da Anfavea.

O resultado do primeiro semestre frustrou o entusiasmo do início do ano ao amargar queda de 7,3% sobre o igual período do ano passado, para 1,66 milhão de veículos. O cenário vivido pelo setor durante os seis primeiros meses mudou completamente a visão para todo o ano, cuja queda é esperada não só para o mercado interno, mas para produção, que deve fechar com volume 10% abaixo do de 2013, para 3,33 milhões, e exportações, cujo resultado deve ser negativo em 29,1%, para 401 mil unidades.

No comparativo anual, o maior tombo no primeiro semestre foi registrado no segmento de veículos comerciais pesados – caminhões e ônibus – de 12,7% e 13,7%, respectivamente. No segmento leve, a retração do primeiro semestre foi de 7,3%, para pouco mais de 251 mil unidades.

O cenário de desaceleração da economia, os baixos índices de confiança, o crédito mais caro e a euforia da Copa do Mundo desviou a atenção de consumidores. O evento esportivo, que começou em 12 de junho e diminuiu o número de dias úteis aprofundou a queda das vendas para o mês: com 263,5 mil unidades, houve retração de 10,2% sobre maio e de 17,3% sobre junho do ano passado.

O resultado, segundo Moan, reflete toda a conjuntura dos fatores, além do menor número de dias úteis de junho – 18 contra os 21 de maio – por conta de um feriado (fixo) e os instituídos pela Copa, que freou as atividades comerciais do setor. Por outro lado, o executivo ressaltou que apesar do número menor de dias para vendas, a média diária de junho foi de 14,6 mil unidades, 5% maior que a de maio, quando as vendas contabilizaram 13,9 mil unidades por dia útil.

SEGUNDO SEMESTRE

Se o primeiro semestre foi desastroso para o setor, a Anfavea aposta em uma segunda metade do ano muito melhor. Moan apresenta uma projeção personalizada para enfatizar o que será o segundo semestre sobre o primeiro. Os dados mostram que haverá crescimento de 14,3% das vendas entre julho e dezembro contra janeiro-junho: os licenciamentos devem chegar a 1,90 milhão de veículos.

Puxada pelo mercado interno, a produção deve subir 13,2% na segunda metade do ano, para 1,77 milhão de unidades (leia aqui), enquanto que para as exportações, a entidade aguarda expressivo avanço de 36,9%, para 232 mil unidades.

“Teremos 7% mais dias úteis no segundo semestre: serão 127 contra os 119 do primeiro semestre e isso já considerando que o Brasil continue até a partida final do campeonato mundial, porque alguns jogos reduzem o horário comercial. Passada a Copa, o nível de confiança vai voltar, mesmo que o Brasil perca; o torneio já é um sucesso. O ambiente macroeconômico está mudando. Também é fato a sazonalidade, que perdura nos últimos 10 anos, na qual o segundo semestre é sempre mais forte que o primeiro, puxado pelas compras de fim de ano. É como eu sempre disse: não compartilho do pessimismo”, defendeu Moan.

Ele afirma ainda que a média de aprovação de crédito para financiamento de veículos subiu e que o índice está em 30%. Além disso, a manutenção do IPI menor anunciada no dia 30 de junho pelo governo (leia aqui) ajudará as montadoras a manter os preços dos veículos. Este fator deverá ser fortemente usado para alavancar campanhas de marketing, como forma de atrair os consumidores.

“Se o IPI tivesse aumentado, haveria uma queda de quase 11,5% no segundo semestre. No ano, esta queda seria de quase 10%”, admitiu.

Assista à entrevista exclusiva com Luiz Moan, presidente da Anfavea:



Tags: Anfavea, vendas, licenciamentos, veículos, Luiz Moan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now