Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo Bus compensa queda das vendas com exportações

Comerciais | 25/07/2014 | 18h07

Volvo Bus compensa queda das vendas com exportações

Fabricante espera manter produção estável em 2014 com negócios externos

GIOVANNA RIATO, AB

A divisão de ônibus da Volvo no Brasil enfrenta a baixa do mercado com um reforço nas exportações. A companhia estima a venda de 800 unidades em outros países este ano, a maior parte para a Colômbia. Com isso a montadora deve manter este ano o mesmo nível de produção registrado em 2013 na planta de Curitiba (PR), próximo de 3,2 mil unidades, apesar de ter reduzido a atividade na fábrica para apenas um turno de trabalho desde agosto do ano passado.

“No início de 2013 vínhamos produzindo em ritmo acelerado. Quando vimos que o mercado não absorveria tantos veículos tiramos o pé do acelerador”, conta Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus América Latina. Ele admite que a queda brusca das vendas causou aumento expressivo dos estoques, mas garante que os volumes de chassis armazenados já voltou ao patamar normal.

Segundo o executivo, tradicionalmente 65% da produção da companhia na fábrica paranaense são destinados ao mercado brasileiro e os outros 35% atendem a demanda de outros países. Este ano, no entanto, esta dinâmica se inverteu e a companhia tem vendido no exterior perto de 65% da produção nacional de ônibus.

O executivo enfatiza que, apesar da contração de 13,7% nas vendas no Brasil entre janeiro e junho, para 13,3 mil chassis, a Volvo conseguiu manter a sua fatia de market share em 11%, com 21% de presença no segmento de pesados e 9% entre os modelos semipesados. Dados da Anfavea apontam que a marca teve redução nos negócios no primeiro semestre, de 10,3%, retração inferior a do mercado total.

Pimenta avalia que a queda do mercado de ônibus é inevitável para este ano. Ele projeta vendas próximas de 28 mil unidades, o que corresponderia à retração de cerca de 15% sobre o resultado do ano passado. Na opinião do presidente, duas medidas precisam ser tomadas para que o mercado destrave. A primeira delas é a regulamentação do novo modelo de concessão do transporte rodoviário interestadual.

A permissão para atuar no segmento, que antes era obtida por meio de concorrência pública, foi simplificada e depende agora apenas de autorização. Os requisitos técnicos para que uma empresa receba a concessão, no entanto, ainda não foram definidos. “Enquanto isso não estiver acertado as vendas do segmento rodoviário continuarão fracas.” Para o executivo, com esse aspecto determinado as encomendas terão aquecimento, já que há demanda reprimida.

A outra medida capaz de impulsionar as vendas na opinião de Pimenta é o reajuste da tarifa do transporte público nos centros urbanos. “Enquanto não aumentar a passagem os empresários não vão investir em novos ônibus. Quando São Paulo e Rio de Janeiro anunciarem reajuste outras cidades do Brasil também farão isso”, acredita. Ele espera que isso aconteça em 2015, já que seria muito complicado protelar a revisão dos preços para o ano seguinte, quando há eleição para prefeito.

ÔNIBUS HÍBRIDO

A Volvo produz há cerca de dois anos um modelo de ônibus híbrido diesel-elétrico no complexo industrial paranaense. Os planos da companhia para o veículo, no entanto, foram surpreendidos pela redução do ritmo do mercado nacional. “Temos enfrentado alguns desafios. Além das questões que afetam as vendas, temos ainda o alto número de ônibus queimados em várias cidades. Os empresários ficam temerosos de investir alto em um veículo com a tecnologia e depois enfrentar um problema como esse”, aponta.

Logo no início do projeto a montadora fechou a venda de 30 unidades para a cidade de Curitiba (PR) e cerca de cinco para São Paulo (SP). Este ano uma nova encomenda veio de Brasília (DF), de 18 chassis. Dessa forma, o que tem garantido bom ritmo de produção do modelo à marca no Brasil é a demanda externa. Este ano, dos 800 ônibus que a Volvo projeta exportar, 450 unidades serão do modelo híbrido. “Há ainda possibilidade de fecharmos mais 50 chassis”, revela Pimenta.

Em alguns anos o mercado de ônibus elétricos e híbridos deverá contar com um novo player. A chinesa BYD anunciou a construção de uma planta no Brasil para produzir modelos com estas tecnologias (leia aqui). A novidade foi recebida com otimismo pelo executivo da Volvo. “Em alguns momentos a concorrência até ajuda disseminando o conceito e a tecnologia”, pondera.



Tags: Volvo, ônibus, Luis Carlos Pimenta, vendas, exportação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now