Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 06/08/2014 | 21h15

Caminhões terão segundo semestre pouco melhor

Fabricantes estimam retomada mais intensa para modelos pesados

MÁRIO CURCIO, AB

O maior número de dias úteis, associado à característica histórica do período, trará um segundo semestre ligeiramente melhor que o primeiro para os caminhões. “Esperamos um mercado de 133 mil unidades até o fim do ano”, estima o vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea, Luiz Carlos Gomes de Moraes.

-Veja aqui os dados da Anfavea.

Considerando que até junho o mercado absorveu 64,6 mil caminhões, outros 68,4 mil deverão ser lacrados no segundo semestre, resultando numa pequena alta de 5,8%. A retomada mais intensa, de acordo com Moraes, deve ocorrer com os modelos pesados. “Os leves ainda não sinalizaram recuperação”, diz.

O fato de o licenciamento de caminhões ter crescido 17% em julho é visto com cautela pela Anfavea. “Eles têm uma característica de mercado diferente dos automóveis, normalmente por causa do tempo de encarroçamento, e assim ocorre um atraso de cerca de 60 dias entre a aquisição e o emplacamento efetivo”, recorda Moraes.

Julho apresentou 12,4 mil caminhões lacrados, ante 10,6 mil em junho. No acumulado do ano, a venda de caminhões soma pouco mais de 77 mil unidades. O segmento com a maior retração, 30,8% ante o mesmo período do ano passado, é o dos modelos leves. A menor queda, de 1,1%, se verifica nos médios. Os pesados registram no acumulado até julho 27,9 mil unidades e retração de 12,6% ante os mesmos sete meses de 2013.

PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO

Em julho, as fabricantes de caminhões produziram 12,3 mil unidades, alta expressiva de 50% sobre junho em razão das férias coletivas adotadas naquele mês por causa da Copa. No acumulado do ano foram montados 88,3 mil caminhões, recuo de 20,7% em relação aos mesmos sete meses de 2013. A retração na montagem dos modelos leves é de 41,1%. No caso dos pesados, o recuo foi de 15,6%.

As exportações do segmento somaram 1.266 unidades, retração de 19,4% ante junho. No acumulado do ano, o envio de pouco mais de 11 mil caminhões resultou em queda de 17,9% em relação aos mesmos sete meses de 2013. O recuo mais importante, de 26,5%, ocorreu para os semipesados (3,1 mil unidades exportadas até julho).

DESEMPENHO DOS ÔNIBUS

O mês de julho registrou 2,2 mil novos ônibus chegando às ruas, volume 11,5% maior que o registrado em junho. No acumulado do ano foram licenciadas 15,58 mil unidades, volume 15,3% menor que em igual período de 2013. “Até o fim do ano chegaremos a 27,5 mil unidades”, prevê Moraes. Se o número se confirmar haverá um recuo de 16,5% ante as vendas de 2014.

A produção desses veículos em julho somou 2,86 mil unidades e alta de 12,9% sobre junho. No acumulado do ano foram montados no Brasil pouco mais de 22 mil ônibus. Os modelos rodoviários responderam por 3,6 mil unidades (queda de 12,8% ante os mesmos sete meses de 2013) e os urbanos, por 18,4 mil (retração de 13%).

As exportações somaram 617 unidades em julho, alta de 14,9% sobre o mês anterior. No acumulado foram enviados ao exterior pouco mais de 4 mil ônibus, recuo de 21,2% ante os mesmos sete meses de 2013. A queda mais acentuada (de 28,9%) foi no segmento urbano, com pouco menos de 2,5 mil unidades exportadas. Para ver o estudo completo da Anfavea.



Tags: Anfavea, Luiz Carlos Gomes de Moraes, caminhões, ônibus, ônibus rodoviários, ônibus urbanos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now