Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Carreira | 11/09/2014 | 18h12

Ferrari tem novo comando a partir de outubro

Comando da empresa ficará nas mãos de Sergio Marchionne, CEO da FCA

REDAÇÃO AB

A Ferrari terá novo comando a partir de 13 de outubro. O presidente atual da marca italiana, Luca Cordero di Montezemolo, deixará o cargo que ocupa desde 1991 com generosa indenização de € 26,96 milhões. Sergio Marchionne, CEO da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), que detém 90% do controle da fabricante de esportivos, ficará no lugar dele, acumulando mais uma função.

Cerca de metade do total que Montezemolo receberá será paga em janeiro de 2015, como parte do acordo para que ele não vá trabalhar na concorrência. Os € 13,71 milhões restantes poderão ser pagos pela Fiat em 20 anos. O valor corresponde a cinco vezes o salário anual do executivo tinha como presidente da Ferrari.

Informações da agência Automotive News Europe apontam que a saída de Montezemolo é consequência do desentendimento entre ele e Marchionne dentro da companhia. Os executivos divergiam sobre o futuro da Ferrari e os resultados fracos da equipe de Fórmula 1. Enquanto o executivo da marca trabalhava para garantir que a gestão fosse a mais independente do grupo possível, o CEO da FCA fazia pressão para que os negócios se tornassem mais integrados.

NOVOS PLANOS

Marchionne já anunciou a meta de elevar gradativamente os volumes produzidos pela Ferrari a partir de outubro, quando assume os negócios. Dessa forma ele pretende acompanhar o aumento do número de consumidores de veículos da categoria verificado principalmente em países emergentes, como a China. “Se essa classe cresce, devemos ter capacidade para acompanhar o movimento. Se a lista de espera ficar muito longa as pessoas vão cansar”, avalia.

O plano contrasta com a estratégia de Montezemolo, que limitava o volume anual da companhia a 7 mil carros para manter o apelo de exclusividade da marca. O novo dirigente já sinalizou que há potencial para elevar este total para 10 mil unidades por ano.

RESULTADOS

Ainda que Marchionne discorde das estratégias de Montezemolo na Ferrari, o executivo deixa legado positivo. Os resultados financeiros da marca no primeiro semestre somaram faturamento de € 1,34 bilhão, com evolução de 14,5% sobre o mesmo período do ano passado. O lucro líquido também teve crescimento importante, de € 127,6 milhões, com alta de 9,8%. A expansão aconteceu mesmo diante da queda de 3,6% nas vendas, para 3,6 mil carros no mundo.



Tags: Ferrari, Fiat, Luca Cordero di Montezemolo, Sergio Marchionne.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now