Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Schmall só prevê crescimento em 2016

Mercado | 15/10/2014 | 17h26

Schmall só prevê crescimento em 2016

Presidente da Volkswagen prevê queda de 8% a 10% em 2014

PEDRO KUTNEY, AB

Para Thomas Schmall, presidente da Volkswagen do Brasil, o tombo no mercado interno de veículos este ano já está dado: espera-se recuo das vendas de 8% a 10%. Para 2015 a expectativa é de estagnação, com números iguais ao deste ano. A volta do crescimento só é esperada para 2016. “Ainda existe muito potencial, 50% dos brasileiros não têm carro. Mas é necessário fazer ajustes para a economia voltar a crescer”, avaliou.

Ao defender medidas de estímulo ao setor no País, Schmall destaca a necessidade de mudar a legislação para retomada de carros financiados em caso de inadimplência – uma proposta já foi colocada em pauta pelo governo. “Sem isso adianta pouco liberar mais recursos para os bancos, que vão continuar restritivos porque não conseguem reaver a garantia do empréstimo. Nos Estados Unidos isso leva só dois dias para acontecer”, comparou.

Schmall também defende a adoção de um amplo programa de renovação de frota no País: “Isso faz o mercado girar, deixa as ruas mais seguras e ainda permite que metas de sustentabilidade sejam atingidas mais rapidamente, com redução das emissões”, elencou.

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Enquanto nada disso acontece, o fato é que a produção anda bem devagar nas quatro fábricas da Volkswagen no Brasil, afetadas não só pela baixa do mercado doméstico, mas também pelas exportações que caíram 38% este ano, afetadas especialmente pela falta de divisas da Argentina. Segundo Schmall, 35% das vendas externas da subsidiária brasileira da Volkswagen vão para o país vizinho.

Schmall calcula que a indústria atualmente trabalha com 25% de ociosidade. “Para sustentar todos que estão aqui precisaríamos de vendas acima de 15 mil unidades/dia, enquanto o mercado até a metade de outubro está em 12,7 mil/dia, um número que vem se mantendo nos últimos meses”, aponta.

Após anos seguidos de crescimento da produção, agora a Volkswagen precisa administrar os efeitos da queda. Reflexo disso são os 1,2 mil empregados em layoff, com os contratos de trabalho suspensos, nas fábricas paulistas de São Bernardo do Campo e Taubaté e na paranaense São José dos Pinhais. O afastamento por cinco meses termina agora em novembro. “O plano A é a volta dos volumes (com reintegração das pessoas) e o plano B é administrar custos”, diz Schmall. Ele confirma paralisações da produção em dezembro, em períodos diferentes de acordo com a necessidade de cada planta, mas em nenhum dos casos será pelo mês inteiro, como já anunciado por outras montadoras.

Para evitar demissões, Schmall defente que o governo considere a proposta apresentada pelos fabricantes, que prevê a extensão do prazo de layoff por mais cinco meses, nos moldes do modelo alemão de flexibilização dos contratos de trabalho (leia aqui).

ESTRATÉGIA

Sobre o desempenho das vendas da Volkswagen no Brasil, que vem perdendo participação este ano, foi ultrapassada pela General Motors em alguns meses e corre o risco de ver o Gol perder a posição de décadas de liderança de mercado, Schmall não reconhece problemas estratégicos. Para ele, o Gol seguirá na primeira colocação, mesmo com competição desigual diante de dois modelos diferentes do Fiat Palio (o antigo Fire e o novo) somados como um só para engordar o número – exatamente como fazia a Volkswagen com duas gerações diferentes do Gol, incluído o G4 na conta, que parou de ser fabricado no fim de 2013 e gerou o déficit.

“É preciso considerar que o Gol vende o dobro do que o novo do Palio. É errado comparar as vendas totais de dois modelos diferentes com apenas um nosso”, defende agora Schmall. Ele diz que até o fim do ano poderá lançar algumas novas versões do modelo para favorecer as vendas e manter a liderança histórica.

Para Schmall, o Up!, embora ainda seja apenas o 13º carro mais vendido do País, já cumpriu com sobras a missão de substituir o Gol G4 como opção de entrada da marca. “O Up! tem participação de 3,6% nas vendas de automóveis, enquanto o G4 tinha entre 2,7% e 3%. Mas ainda é uma novidade para a maioria dos consumidores, diferente de um Gol que todos conhecem. Por isso é natural o desempenho mais lento logo após o lançamento”, pondera o executivo.

Contudo, Schmall aposta que a estratégia adotada pela Volkswagen de produzir modelos globais no Brasil (o Up! é o primeiro e em 2015 chegam Jetta e Golf às linhas de produção nacionais) em breve começará a se pagar. “Com isso temos grandes ganhos de escala. Antes estávamos afastados da tecnologia mundial e isso acabou. Produtos globais aumentam a competitividade do carro brasileiro”, destaca.

Ele revela que novas oportunidades serão abertas para exportação. Um exemplo seria enviar o Up! brasileiro para o México, que não produz o modelo lá e tem condições viárias parecidas, o que favorece o trabalho de adaptação feito no Brasil. “Nosso Up! é muito melhor preparado para mercados assim”, indica.



Tags: Volkswagen, VW, Brasil, mercado, projeção, Thomas Schmall.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now