Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 08/12/2014 | 20h23

Mangels consegue 10 anos para pagar dívida de R$ 430 milhões

Fabricante de rodas de alumínio entrou em recuperação judicial em 2013

REDAÇÃO AB

Pouco mais de um ano após entrar em regime de recuperação judicial, a Mangels conseguiu renegociar com os credores sua dívida de R$ 430 milhões, estabelecendo prazo de 10 anos para pagamento. A aprovação do acordo ocorreu na última sexta-feira, 5, segundo comunicado distribuído pela empresa na segunda-feira, 8.

Com 86 anos de história e principal fabricante de rodas de alumínio e botijões de gás (GLP), a Mangels Industrial S.A. entrou na Justiça com pedido de recuperação judicial em novembro de 2013, insucesso da renegociação de dívidas com os bancos, que segundo a empresa “impunham condições inaceitáveis para a adequada continuidade das atividades industriais”.

Com seu pedido aceito pela Justiça, a Mangels iniciou uma série de ajustes e passou a trabalhar no plano de recuperação a ser apresentado aos credores, entre os quais um consórcio de dois bancos internacionais e um grupo de sete bancos brasileiros.



Tags: Mangels, dívida, renegociação, recuperação judicial.

Comentários

  • paulo rogério gaeta

    A dívida da Mangels de R$ 430 milhões escalonada em 8 ou 10 anos começa a vencer em meados de 2016, sendo que metade dessa dívida está dolarizada por 2 bancos europeus. Ao longo dos 9 mêses de 2015, a empresa vem gerando prejuízos mensais e quase contínuos, da ordem de 10 - 20 milhões. Nos tempos áureos, o seu valor de mercado era da ordem de R$ 200 milhões, hoje vale R$ 12 milhões. Sinceramente, não consigo enxergar outra saída para a Mangels. Creio que a falência esteja próxima para essa empresa quase centenária.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now