Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 06/02/2015 | 17h31

Implementos: vendas cairão até 10% este ano, projeta Anfir

Novo Finame PSI e economia fraca são fatores que influenciarão resultado

REDAÇÃO AB

Acompanhando o mercado de caminhões, o ano também começou difícil para o setor de implementos rodoviários: as vendas de janeiro ficaram 34,3% abaixo do resultado verificado em mesmo mês de 2014, passando de 12.637 unidades para 8.292, de acordo com dados divulgados na sexta-feira, 6, pela Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários. O emplacamento de pesados – reboques e semirreboques – apresentou a maior queda no comparativo anual, de 54,2%, ao registrar a venda de 2,2 mil unidades, enquanto o segmento leve – carroceria sobre chassi – teve retração de 22%, para pouco mais de 6 mil unidades.

“Esse primeiro resultado, mesmo que registrado em um período tão curto, sinaliza que diante do atual cenário da economia em geral e de crédito para o setor, 2015 poderá ser mais um período difícil para a indústria produtora de implementos rodoviários. Poderemos ter mais um ano de retração com queda entre 5% e 10%, salvo se surgirem medidas que venham a dar suporte à tão ansiada retomada nos negócios”, afirma Alcides Braga, presidente da Anfir.

- Veja aqui os dados da Anfir

Para Braga, o primeiro fator que aponta para essa perspectiva é o desaquecimento geral da economia brasileira. Citando dados do IBGE, os dados referentes a 2014 mostram que a produção da indústria recuou 2,8% em dezembro na comparação com o mês anterior, o que resultou em uma queda acumulada de 3,2%, o pior resultado desde 2009 quando a retração foi de 7,1%, em meio à crise financeira internacional.

“Como ainda não foram tomadas pela nova equipe de governo medidas que efetivamente possam produzir resultados concretos que levem ao crescimento, não há como não imaginar que o ano tenderá a ser menos ativo economicamente”, analisa Braga.

Mario Rinaldi, diretor executivo da entidade, lembra que o setor depende efetivamente do desempenho de todos os segmentos da economia: “A baixa produção em qualquer um dos elos da cadeia produtiva ou na realização de negócios com o mercado externo, causada pela redução geral na atividade econômica afeta diretamente o segmento da indústria de bens de capital onde o implemento rodoviário está inserido”, afirma.

O reaquecimento dos negócios no setor também esbarra nas novas regras do Finame PSI, linha do BNDES, que reduziu a participação nas operações de financiamento de implementos rodoviários e que vai impactar diretamente no segmento pesado. Já no segmento leve, as vendas deverão seguir em baixa influenciadas pelo desempenho geral da economia.

“Para cobrir a parcela que falta no financiamento as empresas terão que buscar uma solução para financiar o restante do bem, seja buscando empréstimos nos bancos privados, seja utilizando recursos próprios”, diz o presidente da Anfir. “Porém considerando o fraco desempenho da economia em 2014 e os resultados negativos registrados pelas empresas, muitas não estão com caixa para investir e as que possuem recursos deverão preferir manter seu montante intacto caso a economia em 2015 também não responda bem”, analisa Braga.

“Podemos esperar um comportamento conservador por parte dos empresários na hora de traçarem seus planos de aquisições de produtos e renovações de frotas”, completa Rinaldi.



Tags: Implementos, Anfir, vendas, reboques, semirreboques, Alcides Braga.

Comentários

  • Leandro Ribeiro

    Bom dia. Este ano de 2015 já estamos sofrendo as consequencias do BNDES. Nosso governo tem que nos atentar a futuras perdas em nosso setor; pois renovação de frota e compra de equipamentos esta congelada em nossa regiao , curitiba. Desde de já agradeço a atenção.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now