Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Anfavea volta a subir a rampa do Planalto
Luis Moan, presidente da Anfavea, concede entrevista coletiva após reunião com Dilma Rousseff

Indústria | 01/04/2015 | 21h22

Anfavea volta a subir a rampa do Planalto

Fabricantes debatem conjuntura e plano de exportações com a presidente

REDAÇÃO AB COM AGÊNCIA BRASIL

Já está ficando quase tradicional a reunião de toda a cúpula da Anfavea com a presidente Dilma Rousseff em momentos de queda pronunciada nas vendas de veículos. Após quase um ano desde o último encontro, em 17 de abril de 2014, o presidente da entidade representante das montadoras no Brasil, Luiz Moan, alguns de seus vice-presidentes e presidentes das fabricantes associadas, voltaram a se reunir em grande número com a presidente da República e alguns de seus ministros. Na tarde de quarta-feira, 1º, foram apresentados à Dilma em reunião no Palácio do Planalto dados sobre a conjuntura do setor, a fim de debater com o governo as dificuldades da indústria, em meio a um cenário de forte contração. A data coincidiu com a divulgação do desempenho das vendas do setor pela Fenabrave, que reúne as concessionárias, apontando retração de 17% no primeiro trimestre contra igual período do ano passado (leia aqui).

Durante a reunião, o governo decidiu criar um grupo de trabalho interministerial para debater com as montadoras incentivos ao setor automotivo e contribuições ao Plano Nacional de Exportações, com o objetivo de estimular os investimentos, a competitividade e ampliar os embarques do setor. O governo também sinalizou que, dentro de 30 dias, responderá à pauta dos fabricantes de veículos, indicando o que pode ser resolvido imediatamente e o que será encaminhado a médio e longo prazos.

Após a reunião, realizada em Brasília, cuja pauta também tratou de temas como emprego, layoff (suspensão de contratos de trabalho) e a apresentação dos dados do setor, Moan afirmou em entrevista coletiva que “o caminho correto da indústria é buscar ganhos de competitividade”, aproveitando principalmente a alta do dólar, que favorece as exportações”.

Para Moan, o esforço do governo brasileiro para renovar o acordo automotivo com países como o México foi um “alento” para que o setor possa expandir suas vendas, com melhores condições de competitividade. A Anfavea também pretende participar das negociações para a prorrogação do acordo com a Argentina, que vence em 30 de junho.

Ainda segundo o presidente da Anfavea, as montadoras apoiam o ajuste fiscal promovido pelo governo. “Compreendo e torço para que toda a estrutura do ajuste seja aprovada para que o setor possa retomar, o mais rápido possível, seu nível de atividade econômica.”

Segundo o ministro da Casa Civil, Aloízio Mercadante, que também participou da reunião entre Dilma e a Anfavea, o grupo poderá estudar a integração de cadeias produtivas, removendo barreiras às exportações, em especial para países da América Latina. “Descuidamos um pouco das exportações no nosso entorno, porque o mercado brasileiro cresceu muito. Precisamos agora dar mais foco para exportações.”

Também participaram da reunião o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o ministro das Cidades, Gilberto Kassab. Segundo Mercadante, o grupo, que também terá representantes dos ministérios da Fazenda, das Cidades e das Relações Exteriores, deve discutir temas como as melhorias que podem ser feitas para agilizar a burocracia de transferência de veículos e a revisão de exigências de acessórios em automóveis, que, segundo ele, não é aplicada por outros países.

Reunião entre a presidente Dilma Rousseff e Luiz Moan, ministros e vice-presidentes da Anfavea



Tags: Anfavea, governo, Luiz Moan, vendas, exportações, Fenabrave, Dilma Rousseff.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now