Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 02/04/2015 | 16h08

Cresce fatia de consórcio em volume de crédito para veículos, aponta Abac

Participação aumenta em 3,9 pontos porcentuais, para 24,7% no 1º bimestre

REDAÇÃO AB

O total de crédito concedido para a aquisição de veículos durante o primeiro bimestre apresentou crescimento de 3,9 pontos porcentuais da participação do consórcio, passando de 20,8% no período em 2014 para 24,7% neste ano. Segundo dados do Banco Central, citados pela Abac, Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio, a modalidade foi responsável pela distribuição de R$ 2,87 bilhões do total de R$ 11,64 bilhões, utilizados em outras modalidades, como CDC e leasing, enquanto há um ano o valor era de R$ 2,48 bilhões dentro do montante de R$ 11,95 bilhões.

O aumento da participação do consórcio nos créditos para veículos reflete no desempenho das atividades do setor, que nos dois primeiros meses de 2015 reporta alta de 7,7% no número de contemplações – quando o consorciado recebe a carta de crédito para a compra do bem, com um total de 230,7 mil contra as 214,3 mil contemplações de iguais meses do ano passado. Neste resultado, a Abac considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, comerciais pesados e motocicletas.

O número de participantes ativos também subiu, passando de 5,07 milhões para 5,49 milhões, alta de 8,3% na comparação anual. Apesar disso, a venda de novas cotas diminuiu 6,7%, para 352,9 mil unidades.

“O crescimento de consorciados ativos demonstra que o brasileiro segue ponderando a necessidade imediata ou não da aquisição de bens ou serviços. O consórcio propicia ao consumidor, diante do orçamento doméstico cada vez mais apertado, exercer planejamento financeiro indispensável, especialmente quando a inflação corrói seu poder de compra. Portanto, o momento é de avaliar com cautela as opções de futuros comprometimentos financeiros e não arcar com as atuais altas taxas de juros praticadas no mercado”, comenta Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac.

Por segmento, o de veículos leves, que reúne automóveis e comerciais leves, registrou 10% de aumento no número de participantes ativos no primeiro bimestre, para 2,63 milhões de consorciados – o maior volume de participantes entre todos os segmentos. As vendas de cotas somaram 158 mil unidades nos dois primeiros meses do ano, alta de 1,3% sobre igual período do ano passado. Neste grupo, 84 mil consorciados tiveram a chance de comprar seus veículos, 20% a mais do que o número de contemplados no primeiro bimestre do ano passado: para isto, o segmento recebeu volume de crédito de R$ 3,41 bilhões, 20,5% acima do total distribuído há um ano.

No segmento de pesados, que inclui caminhões, ônibus, semirreboques, implementos e tratores, o relatório da Abac aponta que houve crescimento de 12,1% no número de participantes ativos, passando de 223 mil para 250 mil. Apesar da queda de 4,2% no volume de adesões (vendas de novas cotas), para 6,9 mil unidades, o volume de crédito concedido ficou estável, explicado pelo aumento de 3,8% do tíquete médio, que fechou o período em R$ 157,7 mil.

Já o setor de motocicletas fechou o primeiro bimestre com 127 mil contemplações, alta de 2,4% sobre mesmo período do ano passado e o maior volume desde 2005. Mesmo com o número de participantes ativos 6,1% maior, para 2,61 milhões, o segmento fecha o período com queda de 12,6% nas vendas de novas cotas, para 188 mil unidades. O volume de crédito também retraiu, ficando 11,9% abaixo do total do 1º bimestre do ano passado, para R$ 2,09 milhões, enquanto o valor médio da cota no mês subiu 1,8%, para R$ 11,2 mil.



Tags: Consórcio, crédito, Abac.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now