Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Vendas das empresas da Abeifa caem 14%

Mercado | 10/06/2015 | 15h11

Vendas das empresas da Abeifa caem 14%

Para a entidade, crise tem sido mais longa do que era esperado

GIOVANNA RIATO, AB

Assim como o resto das empresas do setor automotivo, as companhias filiadas à Abeifa, associação que representa fabricantes e importadores de veículos, viram suas vendas caírem entre janeiro e maio de 2015. Com 35,3 mil unidades negociadas no mercado nacional, houve retração de 14% sobre igual período do ano passado. Os dados foram divulgados pela entidade na quarta-feira, 10. “A travessia da crise tem se mostrado mais longa do que esperávamos”, lamenta Marcel Visconde, presidente da organização. O executivo destaca que agora já não restam mais dúvidas de que a redução dos volumes é preocupante e não algo passageiro.

Em maio as empresas representadas pela Abeifa venderam no mercado nacional 8,4 mil unidades. O resultado é 24,8% superior ao de abril e 13,3% maior do que o do mesmo mês do ano passado. A associação garante que a alta não indica o começo de uma recuperação e foi puxada pelo expressivo crescimento de uma marca: a Jeep, que começou a produzir e vender localmente o Renegade e alcançou bom resultado. “Isso mostra que, apesar do cenário adverso, o consumidor ainda está recebendo aberto para os bons produtos e lançamentos”, destaca Visconde.

Fora da bolha da Jeep, que conseguiu se blindar da crise com a chegada do SUV ao mercado, a queda nos negócios é quase unânime entre as companhias filiadas à Abeifa. Além da marca do grupo FCA, as únicas empresas que anotaram expansão nos primeiros cinco meses de 2015 entre as 27 associadas da entidade foram Changan, Dodge, Jaguar, Lamborghini, Lifan e Volvo. A dificuldade de elevar os volumes de vendas mostra, segundo Visconde, que a retração da demanda é generalizada entre os segmentos. “A fama de que as marcas premium estão blindadas da crise não é real. São só alguns casos pontuais”, enfatiza.

Ele cita o exemplo da Porsche, companhia que ele mesmo representa no mercado nacional. Entre janeiro e maio deste ano a procura pelos esportivos alemães diminuiu 4,8%, para 260 automóveis. “A pessoa que normalmente compra um carro de R$ 500 mil continua com dinheiro, mas em uma situação dessas não quer gastar”, analisa, lembrando que a falta de confiança na economia é um dos grandes motivos para que os clientes adiem a compra do carro nestes casos.

Nos segmentos mais populares há dificuldade de acesso ao crédito. O presidente da Abeifa avalia que, além da aprovação estar mais difícil, com critérios mais rigorosos dos bancos, os empréstimos encareceram com a subida dos juros. A inflação, que chegou a 8,47% nos últimos 12 meses - maior patamar desde dezembro de 2003 – corrompe o poder de compra e reduz, portanto, o interesse do consumidor em investir no carro novo.

“Para os importadores há ainda o agravante do dólar, que afeta mais a gente do que as montadoras instaladas no Brasil”, lembra. Visconde calcula que a moeda norte-americana teve valorização de 100% desde 2011. Como mais um complicador, ele destaca que as empresas têm grande dificuldade de repassar qualquer aumento de preço ao consumidor.

EXPECTATIVAS

A Abeifa decidiu manter a sua projeção mais recente, que aponta para vendas próximas de 80 mil unidades pelos seus associados este ano, com queda de 14% sobre 2014. “Vamos esperar o fechamento do primeiro semestre para traçar novas expectativas”, explica Visconde. Ele acredita que é preciso esperar para ver os efeitos do ajuste fiscal que está em curso no governo.

Paralelamente a entidade segue em negociação com o ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para ampliar as cotas de importação do Inovar-Auto, que hoje são limitadas ao máximo de 4,8 mil unidades por ano. “Isso nos daria flexibilidade para diversificar o mix de produtos”, conta o presidente da entidade.

Assista à entrevista exclusiva com Marcel Visconde, presidente da Abeifa:



Tags: Abeifa, vendas, importados, Marcel Visconde.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now