Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Metalsider já fornece fundidos para carros
Nova unidade de fundidos da Metalsider já opera em um turno

Autopeças | 22/07/2016 | 14h29

Metalsider já fornece fundidos para carros

Com investimento de R$ 200 milhões, empresa inaugurou nova fábrica

SUELI REIS, AB

A Metalsider inicia uma nova fase após se consolidar como tradicional fornecedora de ferro-gusa em seus 32 de história. Com investimento de R$ 200 milhões, a empresa com sede em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), inaugurou em janeiro deste ano, após dois anos de construção, uma nova fundição para fornecer peças fundidas para o setor automotivo. Com capacidade para fundir 60 mil toneladas por ano, a fábrica foi construída dentro do complexo industrial que tem no total 1 milhão de metros quadrados.

“Apesar de ser uma das principais usinas de ferro-gusa do Estado, com capacidade para 420 mil toneladas por ano, o plano era dar um up grade nos negócios, foi quando nasceu a ideia de operar na área de fundição de autopeças”, conta Rogério Silva Junior, diretor-geral da fundição Metalsider. Dessa forma o executivo voltou para o ramo onde atuou por 30 anos, na fundição do Grupo Fiat/FCA, a Teksid, um dos maiores fornecedores de blocos fundidos de motor do setor automotivo. Silva Junior foi presidente da empresa no Brasil até meados de 2015, quando se mudou para a Metalsider.

Estruturada sob um conceito inédito de verticalização, a nova fundição é 100% autossustentável, uma vez que o ferro-gusa é a matéria prima para ferro fundido. “Contamos com uma área para o plantio de 40 mil hectares de eucalipto dedicada à extração de carvão vegetal para o ferro gusa. Além disso, temos sete altos-fornos ligados por uma termoelétrica que produz energia suficiente para a operação. É um nível de sustentabilidade inigualável no País”, enfatiza o executivo.

Operando atualmente em um turno, a nova unidade gerou 140 empregos diretos, o que, segundo Silva Junior, pode evoluir para 250 trabalhadores em 2017, com o início de algumas atividades em um próximo segundo turno.

PRONTA A TODO VAPOR

Apesar do pouquíssimo tempo de operação, a Metalsider comemora o fato de já ter carros rodando com suas peças. Embora prefira não revelar quem são os clientes, Silva Junior conta que a companhia já fechou negócios com duas empresas fornecedoras de primeiro nível (tier 1) e está caminhando para a terceira, mas também mira as montadoras (OEM): “Estamos preparados com uma operação industrial completa, providos de estrutura produtiva, engenharia, desenvolvimento e qualidade”, reforça.

Embora focados na expansão dos negócios, a empresa reconhece que o momento é de fato desfavorável para o mercado brasileiro de veículos. “Lá nos idos 2012, quando a Anfavea projetava uma produção de 5,2 milhões de veículos em 2018, isso causou uma euforia na indústria. Infelizmente, constatamos que anos depois isso caiu por terra. A decisão de investimento pela Metalsider não teve fundamento nesta previsão, até porque quando foi tomada a decisão o cenário já era outro. Mas era importante entrar em um mercado diferente, sofisticado, elevar nossas oportunidades de negócio e por isso, desde o começo, decidimos construir uma fundição eficiente”, conta.

Para ele, o viés negativo está no tempo em que o País – e a indústria automotiva – vai demorar para esboçar sua retomada: “Não existe outro futuro para o Brasil que não o crescimento. Há um potencial de uma pedra bruta que precisa ser polida. Como nova operação, estamos chegando em um momento em que muitos estão fechando. Nesta fase, as montadoras param por um momento de pensar no longo prazo, de planejar, investir e por fim, em desenvolver fornecedores. Preocupa sim esse time, esse marasmo, mas já passamos por tantas crises; tenho mais de 30 anos de atuação na indústria automotiva [na Teksid e Fiat], e sempre que voltamos de uma, o crescimento é rápido. Para encarar esta velocidade, temos de estar preparados. E nós estamos”, conclui.



Tags: Metalsider, fundição, investimento, autopeças, ferro gusa, tier 1, Betim.

Comentários

  • Bruno H. M. Mendanha

    É muito bom ver que mesmo em momentos de crise, ainda existem empresários preocupados com o crescimento e desenvolvimento do país. Essa empresa foi muito ousada neste empreendimento e acredito que quando o mercado voltar à normalidade ela estará muito na frente de seus concorrentes.

  • Flávio lima

    Fico satisfeito em ver essa empresa crescer, na oportunidade que tive te fazer uma visita a unidade de Betim, vislumbrei a imensa capacidade de produção dessa companhia.

  • Matheus Felipe S. Oliveira

    Autossuficiência industrial é o principal diferencial da Metalsider no mercado de fundidos atual. Reduzindo o custo da fundição através da sustentabilidade e integração de todo o operativo é evidente a prospecção de mercado quando idealizado o projeto. Parabéns Metalsider, aproveitaram o momento de recessão e deram um pontapé nas dificuldades e incertezas mercadológicas atuais. Sucesso!!

  • Izaias Gomes Ferreira

    Estou muito satisfeito com o crescimento da Metalsider, por vários motivos: Minha primeira vista técnica no meu curso técnico foi nesta empresa que nos abriu as portas e depois por abrir mais vagas de empregos. E como auditor do sistema de gestão da qualidade conheço bem a empresa e esta no caminho certo para poder desenvolver. Desejo muito sucesso a toda equipe!

  • RIVELINOGONÇALVES DOS SANTOS

    Trabalheina Metalsider por sete anos e essa empresa cresceu e se consolidou ao longo do tempo. Graças a forma seria e transparente com a qual seu proprietario conduz os negocios. Homem de visão que passou por diversas crises e planos economicos, e mesmo assim sempre levou sua empresa adiante, nesse setor bastante sensivel a turbulencias, que é o mercado de ferro gusa.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now