Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 19/09/2016 | 19h18

Brasil precisa exportar veículos para além da América Latina

Participação de 1% no mercado global já renderia volume anual de 800 mil unidades

GIOVANNA RIATO, AB

As montadoras e o governo brasileiro precisam parar de ter nos países da América Latina o único canal de exportação de veículos. O alerta é de Rodrigo Custódio, diretor da Roland Berger, que participou do Fórum da Qualidade Automotiva promovido pelo IQA na segunda-feira, 19, em São Paulo (SP). Para o consultor, o país só terá volume importante de vendas externas quando olhar para o mercado global. “Participação de 1% nas vendas fora do continente já representaria volume anual de 800 mil unidades”, estima.

Ele destacou que a exportação de 500 mil veículos projetada para este ano pela Anfavea é expressiva se considerado o tamanho do mercado que a produção nacional atende. “Estamos falando de uma demanda total de 3 milhões de unidades por ano na América Latina fora do Brasil. Respondemos por 20% deste total, o que é uma participação muito boa. Devemos continuar investindo aqui, mas o mundo é muito maior do que isso”, enfatiza.

Custódio reforça que as montadoras locais têm se limitado às 6 milhões de unidades da região - em momentos em que o mercado nacional estava maior - enquanto a demanda global chega a 90 milhões de veículos por ano. Antonio Megale, presidente da Anfavea, reforçou em sua apresentação que o Brasil segue empenhado em firmar ou renegociar acordos automotivos. Exemplos recentes foram os novos termos acordados com Colômbia e Uruguai, ainda que limitados à América Latina. O dirigente destaca, no entanto, potencial de a indústria brasileira atender a demanda de países da África e do Oriente Médio.

Custódio concorda que todas as oportunidades devem ser aproveitadas, mas avalia que o avanço das exportações nacionais só será consistente quando estiver apoiado em mercados menos pulverizados. “As melhores oportunidades estão na Europa, mas, para ter acesso a algumas regiões, o Brasil terá de abrir mão da proteção ao mercado interno. A competição global vai gerar escala e competitividade à indústria local”, resume.

Megale, da Anfavea, destaca que este é o ponto de virada para a indústria, o momento de desenhar as políticas e medidas que farão diferença no futuro. “Precisamos decidir se vamos competir no mercado nacional de 3 milhões de veículos ou no global, de 90 milhões de unidades".

RECUPERAÇÃO DA INDÚSTRIA

Custódio estima que a recuperação dos volumes da indústria nacional só virá da combinação entre vendas externas e melhora das condições do mercado local. Com a lenta melhora do crescimento econômico estimado para os próximos anos, ele estima que as vendas internas possam alcançar novamente os 3 milhões de veículos em 2020. Ainda assim, o consultor reforça a necessidade de adotar medidas para tornar a demanda mais perene, sem ações pontuais que criem bolhas.

Uma das oportunidades para isso, diz Custódio, está nos financiamentos. “O Leasing é uma modalidade subutilizada no Brasil, com cerca de 3% de participação. Nos mercados desenvolvidos esse número chega a 30%.” Outra iniciativa, diz ele, é o desenho de uma política de renovação da frota, o chamado Programa de Sustentabilidade Veicular. “Isso criaria uma demanda perene”, acredita. Glaucío Geara, vice-presidente da Fenabrave, que também participou do Fórum da Qualidade, aponta que a iniciativa poderia gerar renovação de 500 mil veículos por ano, entre leves, pesados e motocicletas. Volume nada desprezível diante do minguado mercado atual.



Tags: exportações, veículos, indústria, recuperação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now