Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
NSK quer 20% do pós-venda de motocicletas
No Brasil, NSK fornece itens para BMW, Dafra, Honda, Suzuki e Yamaha (foto)

Aftermarket | 01/11/2016 | 16h33

NSK quer 20% do pós-venda de motocicletas

Empresa entra no mercado de reposição com 170 tipos de rolamento

MÁRIO CURCIO, AB | De Goiânia (GO)

A fabricante de rolamentos NSK fornece componentes para 80% das motos fabricadas no Brasil, mas até agora tinha presença muito pequena no pós-venda. A empresa decidiu mudar a situação e em cerca de um ano poderá conquistar 20% do mercado de reposição de duas rodas. “Já fornecemos 170 modelos diferentes de rolamento para as linhas de montagem da Honda, Yamaha, Dafra, Suzuki e também para a BMW em sua nova fábrica própria (veja aqui)", afirma o presidente da NSK Brasil e Argentina, Carlos Storniolo.

“São esses componentes, com a mesma qualidade, que vamos colocar no mercado de reposição”, diz o executivo. “Vendíamos até agora cerca de 40 mil unidades por mês no aftermarket de duas rodas porque não tínhamos uma estratégia. Em um ano poderemos chegar a 750 mil/mês”, estima. Com isso, a produção total de rolamentos para motocicletas, hoje em 800 mil unidades por mês, poderá praticamente dobrar em 12 meses.

A “ofensiva” do pós-venda começa pelo distribuidor goiano Motto Brasil. “Procuramos a NSK por causa da qualidade, do mix de produtos e do suporte técnico dado aos nossos vendedores e clientes”, informa o diretor comercial da distribuidora, Paulo Saraiva. Segundo a NSK, a partir de janeiro se inicia a distribuição nacional.

Em outubro a NSK reativou o terceiro turno e contratou 24 pessoas. A fábrica fica em Suzano (SP), a primeira unidade da companhia erguida fora do Japão, e emprega 398 funcionários. Os rolamentos para moto que a empresa fabrica no País são aplicados em virabrequins, comandos de válvulas, transmissões, eixos balanceiros, rodas e embreagens.

A busca pelo mercado de reposição também é uma saída para a queda da produção brasileira de motocicletas. Em 2011, o melhor ano para as motos, a indústria local fabricou 2,1 milhões de unidades, mas caiu ano a ano depois disso. A projeção para 2016 feita pela Abraciclo, associação dos fabricantes, é de pouco mais de 1 milhão de unidades.

Outro bom motivo para aproveitar o mercado de reposição é a oportunidade criada pela desvalorização do real: “O câmbio atual nos favorece. A diferença de preço (para os rolamentos chineses) diminuiu e com isso fica mais fácil convencer o consumidor a levar um produto que ele conhece”, afirma Storniolo.

A NSK fará 100 anos em 8 de novembro e a fábrica brasileira caminha para os 46 anos, mas, segundo o executivo, recebe atualizações frequentes: “Nosso plano anual destina cerca de 3% do orçamento à produção. Em 2015 investimos R$ 15 milhões em novos fornos para atender a uma demanda da Honda”, garante Storniolo.



Tags: NSK, rolamentos, Suzano, Carlos Storniolo, BMW, Honda, Yamaha, Dafra, Suzuki.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now