Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Carros híbridos e elétricos pagarão IPI de 7% a 20%

Tecnologia | 25/07/2018 | 17h53

Carros híbridos e elétricos pagarão IPI de 7% a 20%

Alíquota entra em vigor em novembro e vai variar de acordo com peso e eficiência energética

GIOVANNA RIATO, AB

A partir de 1º de novembro o IPI de carros elétricos e híbridos passa a variar de 7% a 20% com o decreto assinado pelo governo federal no começo de julho, no mesmo dia em que foi anunciado o Rota 2030. O imposto anterior ia de 7% a 25%, com tributação mais pesada principalmente para os modelos equipados com propulsão elétrica pura. Tabela elaborada pela Anfavea mostra como a tributação será aplicada.

Por exemplo, os veículos híbridos com motor a gasolina com eficiência energética melhor, que apresentarem consumo de energia inferior ou igual a 1,10 MJ/km, pagarão menos IPI, em três alíquotas de 9%, 10% e 11%, aplicadas a três faixas de peso: até 1.400 quilos, de 1.400 e 1.700 kg e acima de 1.700 kg, respectivamente. A alíquota vai variar em 12%, 13% e 15% no caso dos modelos com consumo de 1,11 MJ/km a 1,68 MJ/km e oscilar entre 17%, 19% e 20% para os que apresentarem eficiência menor, com demanda acima de 1,68 MJ/km.

No caso dos elétricos, as tarifas são menores, mas também acompanham as mesmas três faixas do peso do automóvel. Os veículos com eficiência energética de até 0,66 MJ/km recolhem 7%, 8% e 9% de IPI. O tributo sobe para 10%, 12% e 14% quando a eficiência fica entre 0,67 MJ/km e 1,35 MJ/km. Os elétricos menos eficientes, com consumo energético superior a 1,35 MJ/km, recolhem de 14%, 16% e 18% de IPI.

MONTADORAS AINDA NÃO REDEFINIRAM ESTRATÉGIA


Por enquanto, as montadoras ainda estão calculando o impacto da medida na estratégia de veículos elétricos para o Brasil. A Renault, pioneira na oferta de modelos com a tecnologia localmente para frotas corporativas, ainda não divulga posicionamento sobre o tema. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Toyota confirmou que sua estratégia local de eletrificação seguirá focada em veículos híbridos - e está em testes o Prius híbrido com motor flex a etanol, que recolhe menos IPI do que o modelo com motorização a gasolina.

A BMW foi a única marca a se pronunciar recentemente sobre o tema. O presidente da companhia no país, Helder Boavida, declarou que o preço do i3, hatchback elétrico da marca, não vai diminuir com a mudança do imposto. “O tributo é só um componente na composição do valor que cobramos. Com a desvalorização do real, importar o carro fica cada vez mais caro”, diz

Segundo ele, a mudança não têm impacto sobre o preço do i3 porque a BMW vende no Brasil as versões REX do modelo, equipadas com um motor bicilíndrico que funciona como extensor de autonomia para o propulsor elétrico. O carro é categorizado pelo governo como híbrido e, portanto, já recolhe alíquota menor de IPI do que os 25% cobrados até então dos carros elétricos.



Tags: carro elétrico, híbrido, IPI, imposto.

Comentários

  • Marcio

    pracomplicar, é só chamar o governo federal!!

  • vagnerboa sorte neves

    Legisladoresprestem atenção , isentar importação de alta tecnologia é muito bom, desde que não mandem sucatas tecnológicas como no passado das industrias. Devemos tributar a exportação de alimentos não processados (matérias primas, minérios , soja, milho, fibras produtos com produção altamente eficiente e mecanizadas.. Vender barato no mercado internacional e deixar altas margens para que governos do exterior cobrem impostos de importação de produtos nosso e deixem somente os problemas econômico da produção e favoreçam grandes grupos monopolizadores da tecnologia da produção fica complicado !!! - Mais democracia na comunicação social.

  • MARCOSNUNES JR

    Emtramitação na Câmara dos Deputados PL 5308/2020 Autor: Luiz Nishimori - PL/PR Ementa: Dispõe sobre incentivos fiscais para operações com veículos automóveis elétricos ou híbridos. Indexação: Isenção tributária, Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), importação, saída, veículo elétrico, veículo híbrido. _Alteração, Lei federal, alíquota zero, Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Contribuição PIS-Pasep), importação, Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), i

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now