Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Caoa Chery celebra três anos com planos de crescer e produzir híbridos no País
Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery

Indústria | 08/12/2020 | 15h20

Caoa Chery celebra três anos com planos de crescer e produzir híbridos no País

Empresa quer consolidar posição e seguir investindo em 2021 com novos modelos

WILSON TOUME, PARA AB

Em apresentação transmitida pela internet na terça-feira, 8, a Caoa Chery comemorou seus três anos de atividades desde que o grupo brasileiro Caoa se associou em partes iguais com a chinesa Chery para todas as operações comerciais e de manufatura no Brasil. Os sócios têm bons motivos para festejar, apesar do cenário atual preocupante provocado pela pandemia.

Em 2018, ao completar seu primeiro ano de atuação no mercado nacional, a empresa registrou pouco mais de 8,6 mil veículos vendidos, enquanto hoje a previsão é fechar o ano com 20,2 mil unidades comercializadas – número que poderia ter sido ainda melhor, claro, se não fossem as restrições adotadas por conta da Covid-19. Para 2021, o objetivo é seguir crescendo e chegar a 34 mil unidades, informa Marcio Alfonso, CEO da montadora.

Atualmente, a Caoa Chery ocupa a 11ª posição no ranking de marcas mais vendidas do País e os executivos da empresa não escondem que a meta é se tornar uma das dez mais comercializadas – embora não digam quando pretendem alcançar esse objetivo. Ampliar a rede de concessionárias certamente faz parte da estratégia e Alfonso anunciou que a marca deseja expandir sua rede das atuais 115 para 150 revendas, pelo menos, no próximo ano.

O executivo explicou que nas cidades onde a Caoa Chery está mais bem estruturada, o feedback dos consumidores é positivo e a participação da marca nas vendas locais é superior à média nacional (hoje possui 1,05% de market share). Assim, a direção da montadora aposta que ampliando o número de concessionárias poderá multiplicar não só as vendas, mas, principalmente, o reconhecimento das qualidades da marca junto ao público. Isso, claro, vai contribuir com o plano de consolidação da Caoa Chery no Brasil.

INVESTIMENTO E NOVOS MODELOS



Durante a apresentação virtual, Marcio Alfonso fez questão de recordar o recente anúncio de investimento de R$ 1,5 bilhão anunciado pela Caoa na fábrica de Anápolis (GO) e praticamente confirmou que a nova marca que terá carros produzidos na planta será a Exeed, divisão premium da Chery – na linha Lexus/Toyota e Infinity/Nissan. Os primeiros modelos híbridos produzidos em Anápolis, aliás, provavelmente farão parte do portfólio da Exeed.

Alfonso também confirmou a introdução da tecnologia flex em toda a linha Caoa Chery no decorrer do próximo ano e a chegada do novo Tiggo 2 (que, apesar das tentativas de Alfonso despistar, deve ser lançado em 2021).

Ainda que tenha sido prejudicada pela pandemia de Covid-19 (como praticamente todas as empresas do mundo), a Caoa Chery manteve os planos e comemora desempenho acima da média. “A pandemia surpreendeu a todos, e assim como as outras empresas do segmento precisamos nos readequar. Conseguimos dar respostas rápidas no ápice da crise e optamos por manter nossos lançamentos deste ano, visando fortalecer ainda mais a nossa marca”, destacou Alfonso. “A chegada do Arrizo 6 e do Tiggo 8 trouxe mais robustez ao nosso portfólio, são produtos que nos colocam em outro patamar tecnológico e nos dão força para seguir crescendo”, finalizou.



Tags: Indústria, Caoa Chery, investimentos, fábrica, Anápolis, Exeed, planos, crescimento, concessionárias, Marcio Alfonso.

Comentários

  • MarcosAntonio Rolim Villa Verde

    Quandoa CAOA-Chery irá apresentar o resultado do Crash Test nos seus carros que são “os melhores do mundo”?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now