Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Déficit da balança comercial de autopeças recua 39% em dez meses de 2020

Balanço | 15/12/2020 | 17h03

Déficit da balança comercial de autopeças recua 39% em dez meses de 2020

Exportações voltam a crescer em outubro após queda de setembro

REDAÇÃO AB

A balança comercial da indústria de autopeças registrou déficit 39% menor no acumulado de dez meses em outubro, ao fechar o período com saldo negativo de US$ 2,3 bilhões, de acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Sindipeças. O principal motivo foi a forte queda de 31,4% nas importações, que somaram US$ 6,7 bilhões de janeiro a outubro, contra os US$ 9,78 bilhões registrados em iguais meses de 2019. Já as exportações tiveram queda menor, de 26,5%, ao somar US$ 4,39 bilhões no período.

No comparativo mensal, as exportações voltaram a crescer em outubro, com resultado 15% acima de setembro, quando o setor havia registrado queda dos embarques.

Mas é na análise anual que o balanço mostra como está o desempenho geral do setor: mais uma vez, houve quedas importantes das exportações para a maior parte dos principais mercados, como a Argentina, principal destino das autopeças brasileiras e cuja retração foi de 26,6% no acumulado de janeiro a outubro. Neste período, os embarques representaram um valor FOB de US$ 916,7 milhões – no ano passado, em mesmo período, este valor foi de US$ 1,4 bi. O país vizinho respondeu por 20,8% de tudo o que o Brasil exportou em componentes este ano até outubro.

Outros países, como Estados Unidos e México, também diminuíram seu consumo de peças feitas no Brasil, com valores 34,1% e 26% menores, respectivamente. Para a Alemanha, a queda foi de 28,2%.

Já as importações brasileiras continuam tendo a China como maior fonte: o país responde por 17,3% do total de peças importadas ao Brasil entre janeiro e outubro deste ano, o que em valores significou o equivalente a US$ 1,15 bilhão. O valor representa queda de 20,4% quando comparado com as importações de mesmo período de 2019, parte do resultado reflexo dos impactos da pandemia de coronavírus.

Também foram fortes as quedas das importações de Alemanha e Estados Unidos, segundo e terceiro maiores exportadores de peças para o Brasil, respectivamente. Em valores, o Brasil importou 44,8% e 28,8% a menos dos dois países no acumulado de dez meses: as autopeças alemãs respondem por 10,5% das importações, enquanto as peças norte-americanas são 10,3% do total.



- Faça aqui o download dos dados do Sindipeças
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Indústria, autopeças, Sindipeças, balança comercial, exportações, importações de autopeças, déficit.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now