Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Para Tavares, Stellantis é escudo que protege PSA e FCA das dificuldades
Carlos Tavares (esq.) e John Elkann: Stellantis criará valor aos acionistas

Estratégia | 19/01/2021 | 22h00

Para Tavares, Stellantis é escudo que protege PSA e FCA das dificuldades

CEO do novo grupo afirma que duas empresas unidas diluem custos, criam valor, vão economizar € 5 bi por ano e valem mais do que a soma das duas

PEDRO KUTNEY, AB

Carlos Tavares, CEO global da recém-criada Stellantis – empresa nascida da fusão entre FCA e PSA concluída esta semana –, define a nova corporação que surge como maior do que a soma das duas empresas que a originaram. Mais do que isso, é um “escudo” para manter viva a organização diante das transformações disruptivas que vêm pressionando os custos e a sustentabilidade da indústria automotiva em todo o mundo.

“A fusão na Stellantis nasce para superar os desafios que temos pela frente. Queremos ganhar escala, mas não para sermos os maiores, porque ser excelente é melhor do que ser grande. Precisamos de escala para ser disruptivos, algo que não poderíamos fazer antes com FCA ou PSA”, definiu Carlos Tavares.



Ainda assim, a simples soma das duas empresas já resulta em uma corporação gigantesca sob qualquer ponto de vista. PSA e FCA juntas na Stellantis têm 400 mil funcionários de 150 nacionalidades no mundo todo. Segundo números dos balanços de 2019, as duas somam faturamento agregado de € 167 bilhões, lucro operacional combinado de € 12 bilhões, margem de 7% e fluxo de caixa livre de € 5 bilhões. As 13 marcas de veículos do grupo mantêm fábricas em mais de 30 países e vendas em 130 mercados, com posições de liderança nas Américas e Europa.

Tavares afirma que a nova companhia tem potencial para crescer mais € 25 bilhões em valor aos acionistas na próxima década, enquanto planeja sinergias que a partir de 2025 vão gerar economias de € 5 bilhões por ano, 40% disso com o compartilhamento de plataformas e motores, 35% com a combinação de compras conjuntas e 25% com a integração de áreas de vendas, marketing, logística, tecnologia da informação (TI), qualidade e aftermarket. “Mas é preciso lembrar que a fusão não é só para cortar custos, mas também para aumentar o faturamento”, acrescenta.

Segundo o executivo, o compromisso inicial da Stellantis é aproveitar todas essas sinergias sem o fechamento de nenhuma das fábricas do grupo no mundo. “Hoje perto de 80% dos custos variáveis de produção um carro estão localizados nos componentes fornecedores. Então não estamos falando de fábricas ou de empregados que representam em torno de 10% dos custos variáveis, as oportunidades de reduzir gastos estão na cadeia de valor fora das plantas”, explicou.

“Temos todos os meios e competências para melhorar nosso desempenho em todo o mundo”, afirmou Tavares, enquanto mostrava um quadro que indica um balanço mais equilibrado da companhia nos diversos mercados de atuação. A FCA tinha forte dependência da América do Norte, onde foram geradas 68% das receitas em 2019, enquanto no mesmo ano a PSA apurou 89% do faturamento na Europa. Com a fusão na Stellantis essa relação passa a 44% na América do Norte (€ 74 bilhões), 46% na Europa, Eurásia, Oriente Médio e África (€ 76 bilhões), e 10% em outras regiões (€ 17 bilhões) – boa parte disso com a força de Fiat e Jeep na América Latina, principalmente no Brasil.

O próximo desafio, portanto, será ganhar participação na China, o maior mercado mundial. “Montamos uma equipe para entender o que fizemos de errado até agora. Não descartamos nenhum cenário por enquanto, mas vamos trabalhar para corrigir erros do passado e melhorar nosso desempenho no mercado chinês, onde temos muito a crescer”, observou.

DILUIÇÃO DE CUSTOS PARA SOBREVIVER À ELETRIFICAÇÃO



Tavares aponta que a Stellantis se prepara para um novo ambiente em que até 2030 cerca de 35% das vendas de veículos novos no mundo serão de modelos elétricos, ao mesmo tempo em que a legislação e inovações deverão elevar de 20% a 40% o preço dos carros.

“Os custos de produção estão subindo substancialmente, principalmente por causa da eletrificação, e não conseguimos mais compensar isso só com criatividade ou produtividade. Quando isso acontece, existem duas saídas: aumentar preços e perder clientes ou reduzir margens e ameaçar a sustentabilidade do negócio. A Stellantis é um bom escudo contra esse dilema, porque com a escala que ganhamos vamos diluir os custos de desenvolvimento em vários produtos e muitas regiões”, definiu Carlos Tavares.



O executivo pretende estender para a maioria das marcas da Stellantis a estratégia de plataformas multienergéticas que adotou na PSA, permitindo a oferta de um mesmo carro com versões elétricas, híbridas ou com motorização tradicional a combustão. Nessa rota, a empresa já tem 29 modelos eletrificados e irá aumentar esse número para 39 até o fim de 2021. “Isso mostra que estamos em um bom caminho”, pontuou.

Também está nos planos o aprofundamento de soluções de conectividade 5G, ampliação das plataformas de compartilhamento de veículos (como a Free2Move originada na PSA e a Leasys na FCA) e o desenvolvimento de sistemas de direção autônoma com parceiros, incluindo a Waymo, com a qual a FCA já tinha parceria.

A ideia é manter a identidade própria das marcas e compartilhar ao máximo plataformas, motores e componentes. Tavares diz que o plano estratégico de médio e longo prazo da Stellantis ainda está em elaboração, e só depois disso será melhor definido o futuro de tantas marcas de veículos.

O organograma do novo corpo diretivo da companhia indica que as 13 marcas de veículos da Stellantis serão divididas em segmentos de mercado, com seis divisões: SUV Global (Jeep); Norte-Americanas (Chrysler, Dodge e Ram); Principais (Citroën e Fiat/Abarth); Generalistas Superiores (Peugeot, Opel e Vauxhall); Pemium (DS, Alfa Romeo e Lancia); e Luxo (Maseratti).



Tags: Stellantis, FCA, PSA, Carlos Tavares, estratégia, indústria, fábricas, Peugeot, Citroën, Opel, Fiat, Chrysler, Jeep, Ram.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now