Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Anfavea mostra que paga 6 vezes mais impostos do que recebe em incentivos
Moraes: presidente da Anfavea rebate acusações de que fabricantes de veículos recebem incentivos sem devolver resultados

Indústria | 04/02/2021 | 17h18

Anfavea mostra que paga 6 vezes mais impostos do que recebe em incentivos

Presidente da entidade rebate declarações de dirigente do Ipea, acusa ser “um crime” defender a desindustrialização

PEDRO KUTNEY, AB

A Anfavea lançou mão de um arsenal de estatísticas tributárias públicas para rebater acusações, inclusive de setores do governo, de que os fabricantes de veículos instalados no Brasil recebem incentivos demais em relação ao que arrecadam e devolvem em resultados econômicos – uma discussão que voltou ao noticiário após a decisão da Ford de fechar todas as suas fábricas brasileiras, que recebiam benefícios tributários e ainda assim foram consideradas ineficientes pela empresa. Números levantados pela entidade mostram que o setor automotivo é isoladamente o mais tributado do País e paga, em média, seis vezes mais em impostos do que recebe em desonerações fiscais de estímulo à indústria ou ao desenvolvimento de certas regiões.





Também voltou à cena a discussão sobre se vale a pena o Brasil continuar a desenvolver sua indústria de transformação – visão recentemente externada em entrevista ao jornal Valor pelo economista Carlos von Doellinger, presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, vinculado ao Ministério da Economia), que defendeu a desindustrialização em favor de maior foco em segmentos nos quais o País é mais competitivo, como agricultura e mineração, citando exemplos de Austrália e Chile, países que simplesmente desistiram de abrigar fabricantes de veículos e outros bens em seus territórios.

A Anfavea e outras entidades representativas de setores industriais rebateram com indignação as declarações de Doellinger, publicaram no fim de janeiro uma declaração conjunta em jornais destacando a importância estratégica de ter uma indústria forte – como é o caso de todas as maiores economias do mundo onde o Brasil está inserido –, que além de gerar empregos de qualidade também é fonte de desenvolvimento tecnológico. O presidente da Anfavea, Luiz Carlos de Moraes, destacou que a única semelhança que o Brasil tem com o Chile é que o tamanho da população do país sul-americano (20 milhões) é igual ao número de desempregados e desalentados no mercado brasileiro atualmente.

“É um crime se cogitar a desindustrialização do País, nos relegando à condição de colônia fornecedora de matérias-primas e de produtos primários. Isso é prova de profundo desconhecimento. Precisamos crescer rápido, gerar riquezas e empregos. Sorte do país que detém um setor automotivo robusto como o Brasil”, rebateu Luiz Carlos Moraes.



A visão de que a indústria de transformação deveria ser menos prestigiada não é nova e há muito tempo é compartilhada por diversos economistas liberais abrigados no governo. Em 2017, por exemplo, quando estava em discussão o Rota 2030, funcionários do então Ministério da Fazenda chegaram a barrar e desqualificar o programa setorial que estava sendo desenhado para o desenvolvimento da indústria automotiva nacional (leia aqui).

Moraes aponta que os números não sustentam essa visão. Se o Brasil parasse de produzir veículos, passando a importar todo o volume consumido pelo mercado nacional (2 milhões de unidades em um ano ruim como foi 2020), ele calcula que isso abriria um déficit na balança comercial do País de US$ 60 bilhões a US$ 70 bilhões por ano, que não poderia ser coberto por todas as exportações do agronegócio ou de minérios.

SETOR AUTOMOTIVO INVESTE MAIS DO QUE RECEBE EM INCENTIVOS



Para Moraes, sobra muita teoria aos pesquisadores e economistas do governo e falta em igual proporção conhecimento prático sobre o tamanho, abrangência e potencial econômico e tecnológico da indústria automotiva. Ele cita o Inovar-Auto, programa que antecedeu o Rota 2030 entre 2012 e 2017, com estímulos tributários à produção nacional, ganhos de eficiência energética (economia de combustível) e investimentos em pesquisa e desenvolvimento. No período os fabricantes investiram R$ 5,1 bilhões em P&D e receberam desonerações fiscais que somaram R$ 1,4 bilhão, o que representa R$ 3,60 investidos para cada R$ 1,00 incentivado.

“A indústria automotiva puxa os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no mundo todo. No Brasil é o setor privado que mais investe em P&D Em um estudo preparado pela Anfavea e divulgado à imprensa na quinta-feira, 4, a entidade desconstrói a ideia amplamente divulgada que o setor automotivo recebe muitos incentivos em relação ao impostos que paga. O levantamento mostra que na última década a indústria automotiva recebeu menos de 2% de todas as desonerações tributárias concedida pelo governo. Em 2019, por exemplo, a Receita Federal projeta que concedeu R$ 308 bilhões em descontos fiscais a vários setores e regiões, enquanto a porção dos fabricantes de veículos e autopeças nesse total teria somado R$ 6,7 bilhões, ou 2,2% do montante, na maior proporção dos últimos dez anos.

Ainda de acordo com o estudo, o setor automotivo é o que mais arrecada impostos em relação ao que recebe em desonerações tributárias. Conforme dados consolidados da Receita Federal, de 2011 a 2017 o conjunto de fabricantes pagou R$ 268 bilhões em tributos e recebeu R$ 24 bilhões em descontos fiscais, o que equivale a R$ 11,10 arrecadados ao Fisco para cada R$ 1,00 desonerado. É a maior relação entre arrecadação e concessão de benefícios apurada entre todos os setores da economia – está acima inclusive da média da indústria de transformação como um todo, que é de 9,6 para 1. “Isso comprova que nosso setor é que carrega a maior parte da carga tributária do País”, aponta o presidente da Anfavea.

“É preciso lembrar que esse não é um dinheiro que recebemos do governo, mas uma desoneração tributária, um desconto nos impostos – e só precisamos disso porque somos tributados excessivamente”, pondera Moraes. “Mesmo assim, não recebemos todos esses valores de volta, os governos federal e estaduais devem ao setor R$ 25 bilhões em créditos tributários (tributos pagos com direito à restituição) que nunca são reembolsados”, assinala.



- Faça aqui o download do estudo completo da Anfavea sobre Carga Tributária X Incentivos
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Anfavea, tributação, impostos, incentivos, desoneração, indústria, Ipea, Carlos von Doellinger, Luiiz Carlos Moraes.

Comentários

  • Luís

    Serámesmo ? Será que nosso modelo industrial, principalmente o automotivo, não caducou a muito tempo? Que interesse tem uma fabricante de veículos investir aqui? Por que o Inovar Auto não deu certo, assim como o rota 2030? Um tanto contraditório, não?

  • José

    Emparte o presidente da Anfavea tem razão. A indústria automobilística sempre foi vista como vilã dentro do governo e não é de hoje. Os impostos tanto federais quanto estaduais sobre a venda de veículos são dos mais leoninos do mundo. E com o recente aumento do ICMS em São Paulo essa carga tributária tende a aumentar. Vejam os preços atuais dos veículos nas concessionárias.

  • ReinaldoManoel Jr.

    ErradoLuís, a colocação da ANFAVEA é correta. E o mesmo se aplica ao setor de Auto Peças. Toda a cadeia automotiva investe sim em tecnologia, ao ponto de estarmos no mesmo nível de parceiros correlatos nos EUA, Europa e Ásia. Nossa empresa adota meios de produção com a mesma tecnologia usada nos maiores centros de produção automotiva global. As novas fábricas de veículos brasileiras estão entre as mais modernas e produtivas do mundo. O que penaliza nosso setor é sim o manicômio fiscal, reconhecido pelo próprio Sr. Ministro da Economia. Vale a pena aprofundar o conhecimento das boas práticas adotadas pela cadeia automotiva brasileira.

  • NewtonMasteguin

    Asindústrias e, a automobilística em especial, são excelentes escolas de formação de talentos e, um patrimônio inestimável para o nosso país que, deixou a miséria de uma dependência quase total da agricultura e extrativismo há um pouco mais de um século atrás e, se tornou uma potência econômica mundial. A diversidade de atividades faz com que as nações sintam menos os impactos de crises que são inerentes aos movimentos de capitais e, proteja sua economia dando oportunidades à milhões de famílias Povo e governantes precisam ter consciência do lugar, deveres e compromissos de cada parte uma vez que não se pode desprezar a força das indústrias e as oportunidades na geração de talentos e inovação O poder publico está caminhando para uma posição perigosa quando, não tem planejamento, menospreza atividades essenciais e, entrega a conta de má gestão em forma de mais aumentos de impostos, sob qualquer tipo de pretexto sendo que as próprias entidades representativas das indústrias e das diversas atividades econômicas também precisam mostrar sua força, em primeiro lugar alertando com ênfase a sociedade à respeito das distorções e ruídos de comunicação onde os governantes as acusam de ter muitos subsídios, invertendo a verdade da alta carga tributária e, do que convencionou chamar "custo Brasil". É preciso um basta nessa política perversa de faltar com a verdade e empurrar o problemas para o povo sendo que o mesmo deveria agir de forma bastante diferente para com aqueles que dizem o representar! A mudança começa com a melhoria da comunicação e lançamento de uma séria de reportagens mostrando aquele Brasil e brasileiros que dão certo e trabalham arduamente para que nosso país tenha progresso, passando pelas indústrias, sua missão e valores e contribuição para a sociedade! Temos que deixar de lado alguns maneirismos de conveniência ( lobbys) e partir para fazer uma grande mudança na imagem que se tem das empresas e seus propósitos. O empresário virou "bandido" e o politico se aproveita dessa situação para desviar a atenção enquanto busca se favorecer nos bastidores! A grande mídia de comunicação em massa deve se aprimorar para que também cumpra seu papel informativo e exerça o poder moderador que nos faz muita falta!

  • Carlos

    Nãoé nada contraditório. Não é o modelo de negócios que caducou, é o formato tributário e a carga que está cada vez mais alta e complexa. Além disso falta investimento em educação para acompanhar o desenvolvimento tecnológico da indústria. Somado a isso, temos um modelo Logistico catastrófico é caro. Difícil se manter num país assim. Mas desistir decrecimientos para plantar banana e cavar buraco é muita ignorância

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now